21 C
Brasília
segunda-feira, 13 julho, 2020

Paciente oncológico é liberado no IHBDF por falta de aparelho para cirurgia

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

Cinthia Gomes foi internada, mas equipamento do Instituto Hospital de Base está quebrado e ela não foi operada. Irmão desabafa

Mesmo depois de ser diagnosticada com um grave tumor cerebral, a microempresária Cinthia Gomes Araujo, 39 anos, não conseguiu vaga no Instituto Hospital de Base do Distrito Federal (IHBDF) para ser submetida à cirurgia de retirada do câncer. Diante da situação, o irmão dela, o representante comercial Fernando Gomes, 38, fez um desabafo nas redes sociais no sábado (19/5).

De acordo com Fernando, Cinthia deu entrada no IHBDF em 15 de maio, após receber o diagnóstico de que o tumor tinha alcançado cinco centímetros e ela necessitava de cirurgia com urgência. Segundo o irmão, por causa da doença, a microempresária está perdendo a visão do olho esquerdo e a audição, além de sentir dores de cabeça muito fortes com frequência.

A mulher ficou internada até sexta (18) e, durante os quatro dias na unidade pública, ele conta que a equipe médica do hospital e o neurocirurgião responsável pelo atendimento da paciente tentaram recorrer a um equipamento chamado aspirador ultrassônico, indispensável no procedimento cirúrgico, mas não obtiveram sucesso. Ainda de acordo com Fernando, a família teria sido informada que o aparelho do IHBDF está quebrado há cerca de três anos.
O representante comercial disse que o médico foi obrigado a dar alta para a irmã. “Eu perdi a paciência, pois para ela ser operada, teria que ter esse aparelho. Nós não estamos em boas condições financeiras e já havíamos pagado para ela fazer uma ressonância numa clínica particular porque não poderia ser feita na rede pública. Apelei ao Facebook e contei a história da minha irmã”, disse Gomes.

Segundo o relato em sua página do Facebook, ele diz estar indignado: “Quantas vidas e entes queridos teremos que ver sofrer e até mesmo morrer por incompetência do GDF?”, escreveu na rede social.

“Nós estamos desesperados, pois o médico disse que o caso dela é muito grave. O procedimento é de alto risco e não temos a quem recorrer. Precisamos de ajuda e uma resposta”, acrescentou.

O outro lado
Por meio de nota, o IHBDF informou que para o procedimento da paciente é necessário o uso do aspirador ultrassônico. No entanto, o equipamento está inoperante desde fevereiro de 2018. Como não havia contrato de manutenção vigente, foi necessário abrir um processo de contratação de empresa especializada para consertar o aparelho. “O processo está em andamento e assim que o conserto for realizado, a paciente será chamada para fazer a cirurgia”, explica o texto.

Fonte: Metrópoles

- Advertisement -

Últimas Notícias

806 mil unidades de medicamentos para intubação foram distribuídos aos Estados

Ministério da Saúde passou a comprar e distribuir estes medicamentos para apoiar tratamento de pacientes com Covid-19. Oito tipos de fármacos foram distribuídos

MP abre crédito extraordinário de R$ 348 milhões para Saúde, Educação e Cidadania

Principal destino do dinheiro é o Ministério da Saúde, R$ 332 milhões

Nova lei prioriza profissionais essenciais na realização de testes para Covid

Dezenas de categorias são consideradas essenciais pela lei, entre elas, médicos, policiais, assistentes sociais e dentistas
- Advertisement -
- Publicidade -
Precisa de ajuda??