25.5 C
Brasília
quinta-feira, 20 junho, 2024

Estudo do Dieese revela grandes perdas salariais para os profissionais de saúde e seu impacto no absenteísmo

Um estudo recente conduzido pelo Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas (Dieese), a pedido do SindSaúde, revelou uma realidade alarmante: os servidores da Gestão e Assistência Pública à Saúde (GAPS) enfrentaram uma redução salarial, em sete anos, de 35,75%

Saiba Mais

Um estudo recente conduzido pelo Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas (Dieese), a pedido do SindSaúde, revelou uma realidade alarmante: os servidores da Gestão e Assistência Pública à Saúde (GAPS) enfrentaram uma redução salarial, em sete anos, de 35,75%; os Especialistas em Saúde quase 30%, enquanto os Técnicos de Enfermagem viram seus ganhos diminuírem em 35,75%. Já os médicos sofreram uma perda salarial de mais de 41%. Essa situação tem levado muitos profissionais a buscar oportunidades na área privada, exacerbando a terceirização e agravando a escassez de pessoal nas unidades de saúde. O resultado é uma sobrecarga insustentável sobre os profissionais remanescentes, contribuindo para o adoecimento mental e físico, tanto dos trabalhadores quanto dos usuários do sistema de saúde.

A crise na saúde do Distrito Federal é exacerbada pela negligência do Governo, que, segundo uma pesquisa do Metrópoles entre 2022 e 2023, deixou de investir mais de R$1 bilhão de recursos próprios no Sistema Único de Saúde (SUS). Como resultado desse descaso, mais de 300 vidas foram perdidas devido à dengue, colocando o DF como líder em incidência. Essa falta de comprometimento financeiro compromete gravemente a capacidade do sistema de fornecer serviços de saúde adequados à população, agravando a crise enfrentada pelos profissionais da saúde e pelos cidadãos que dependem do SUS para atendimento médico

Segundo Marcos Rogério, diretor do SindSaúde, as perdas salariais impactam diretamente no poder de compra dos servidores: “O servidor da saúde vê seu poder de compra diminuído em todas as áreas, desde as necessidades básicas como alimentação e combustível até as despesas do dia a dia, lazer e educação própria e de seus dependentes. Isso gera grande preocupação e interfere diretamente na saúde e na vida profissional, especialmente para aqueles que lidam diretamente com a assistência ao paciente. A falta de qualidade de vida resultante dessas perdas pode levar ao desenvolvimento de doenças crônicas como hipertensão, diabetes, problemas psiquiátricos, infarto, ansiedade e outros. Essas perdas impactam muito além do poder de compra; elas comprometem a possibilidade de uma vida digna.”

 Profissionais da saúde enfrentam não apenas desafios físicos, mas também emocionais, somados à falta de reconhecimento e à ausência de reajustes salariais condizentes. É crucial ressaltar que essa desvalorização não é apenas uma questão interna da categoria; ela tem repercussões diretas na qualidade dos serviços de saúde prestados à população. Afastamento das atividades é uma das consequências da vida de um servidor desmotivado.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 12 bilhões de dias de trabalho são perdidos anualmente devido à depressão e ansiedade, custando à economia global quase US$ 1 trilhão. Em setembro de 2022, a OMS e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) fizeram um chamado a ações concretas para atender às preocupações sobre a saúde mental da população trabalhadora. As instituições apontam como um dos principais riscos ao bem-estar o endividamento financeiro.

Motivados pela desvalorização, muitos se encontram financeiramente instáveis e emocionalmente desgastados, o que os torna mais propensos a faltar ao trabalho. Essa realidade não apenas sobrecarrega aqueles que permanecem, mas também prejudica diretamente o acesso da população aos cuidados de saúde necessários.

Portanto, é essencial que essa questão receba a devida atenção. Os servidores da saúde não estão apenas clamando por reconhecimento, mas também por condições dignas de trabalho. Em um momento de crise na saúde, como o enfrentado pelo Distrito Federal, é imperativo que medidas sejam tomadas para garantir que esses profissionais não sejam deixados à mercê de sua própria sorte.

Com isso, o SindSaúde convoca toda a categoria a participar da assembleia geral que será realizada no dia 21 de maio, às 10h, no Clube da Saúde. Una-se a essa luta!

Para uma análise mais detalhada sobre a defasagem salarial de acordo com os diferentes cargos, recomendamos a leitura do relatório completo elaborado pelo Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas (Dieese) a pedido do SindSaúde. Você pode acessar o arquivo completo ao final da matéria.

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Servidores do Gama recebem diretores do SindSaúde e esclarecem dúvidas sobre perdas Salariais

Nessa  quinta-feira (20), os servidores do Hospital Regional do Gama (HRG) participaram de uma assembleia regional organizada pelo SindSaúde....

Servidores do HMIB participam da assembleia regional organizada pelo SindSaúde

Na manhã desta terça-feira (18), os servidores da saúde do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) participaram da assembleia...

Servidores do Hospital Regional de Sobradinho se reúnem com diretores do SindSaúde para cobrar recomposição salarial

Na manhã desta quinta-feira (13), dezenas de servidores do Hospital Regional de Sobradinho (HRS) participaram da assembleia com os...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img