20.5 C
Brasília
quinta-feira, 20 junho, 2024

O brasileiro está deixando de ser feliz?

De acordo com pesquisa da ONU, sim. O país caiu 11 posições no ranking 2023, referente ao triênio 2020 a 2022.

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

Hoje, 20 de Março, Dia Internacional da Felicidade, o brasileiro tem o que comemorar?

O povo de sorriso fácil e de alegria contagiante, vem caindo no ranking da Felicidade WHR (World Happiness Report), iniciativa da ONU (Organização das Nações Unidas) que publica anualmente relatório com a pontuação de cerca de 140 países. O relatório foi divulgado hoje pela organização.

Felicidade, volte pra cá!

O Brasil caiu 11 posições no ranking 2023, referente ao triênio 2020 a 2022 de acordo com pesquisa da ONU. No ano passado, quando foram considerados os dados entre 2019 e 2021, o Brasil estava em 38º lugar. Agora, está em 49º. Em 2019 (dados de 2016 a 2018), o país figurava na posição 29. Já em 2015, era o 16º mais feliz do mundo.

E quem é o povo mais feliz?

Finlândia! O país ocupa o primeiro lugar no ranking, pela sexta vez seguida, depois vem, consecutivamente, Dinamarca e Islândia, também nas mesmas posições do ano passado.

A novidade entre os primeiros é a ascensão de Israel, da nona posição para a quarta. Os seis demais países se mantêm no top 10, com algumas trocas de lugar: Holanda, Suécia, Noruega, Suíça, Luxemburgo e Nova Zelândia.

Onde a Felicidade está escassa?

Nas posições finais estão diversos países africanos, como Serra Leoa (135º), Zimbábue (134º) e Botsuana (132º), ainda que as duas posições mais baixas venham do Oriente Médio e adjacências: Líbano (136º) e Afeganistão (137º).

Relatório Mundial da Felicidade

O Relatório Mundial de Felicidade se baseia em sete indicadores principais. A principal delas é a avaliação de vida feita anualmente pelo Gallup. O instituto pergunta aos pesquisados qual nota, entre 0 a 10, eles dariam à sua vida. Dados dos países em questão entram na equação, como: PIB per capita, expectativa de vida saudável, liberdade, generosidade, apoio social e percepção de corrupção.

Os governos, dizem os pesquisadores, estão usando cada vez mais essa análise para orientar as políticas para a felicidade.

O Relatório de Felicidade deste ano também mostra que, apesar de várias crises sobrepostas, a maioria das populações ao redor do mundo continua notavelmente resiliente, com médias globais de satisfação com a vida nos anos COVID-19 2020-2022 tão altas quanto as dos anos pré-pandêmicos.

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Servidores do Gama recebem diretores do SindSaúde e esclarecem dúvidas sobre perdas Salariais

Nessa  quinta-feira (20), os servidores do Hospital Regional do Gama (HRG) participaram de uma assembleia regional organizada pelo SindSaúde....

Servidores do HMIB participam da assembleia regional organizada pelo SindSaúde

Na manhã desta terça-feira (18), os servidores da saúde do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) participaram da assembleia...

Servidores do Hospital Regional de Sobradinho se reúnem com diretores do SindSaúde para cobrar recomposição salarial

Na manhã desta quinta-feira (13), dezenas de servidores do Hospital Regional de Sobradinho (HRS) participaram da assembleia com os...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img