22.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Crise à vista: Desmantelamento na Saúde Pública do DF antecede explosão de casos de dengue

Com perda de 36% dos Agentes e déficit de R$ 241 milhões em investimentos preventivos ao longo da última década

Saiba Mais

Antes do impacto devastador da explosão de casos de dengue que está assolando o Distrito Federal, a rede pública de saúde enfrentava uma crise silenciosa. No ano anterior, a força de combate aos focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, havia sofrido uma perda alarmante de 118% de sua força de trabalho. Além disso, ao longo dos últimos 10 anos, o DF deixou de investir expressivos R$ 241 milhões na prevenção de arboviroses.

A crise foi agravada pelo fato de que, há mais de uma década, o Distrito Federal não realizava contratações de agentes de saúde e vigilância. Diante do déficit de profissionais na linha de frente para conter a dengue e outras doenças, a Secretaria de Saúde recorreu à contratação de profissionais temporários. Contudo, esses contratos chegaram ao fim no segundo semestre de 2023 e não foram renovados.

De acordo com o Portal da Transparência do DF, em setembro de 2023, a rede pública contava com 2.120 Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) e Agentes de Vigilância Ambiental (AVAs), dos quais 776 eram servidores temporários dispensados com o término dos contratos. A falta de pessoal foi agravada pelo fato de que apenas 361 dos 1.314 ACSs eram efetivos, representando 27% do efetivo, e 436 dos 806 AVAs não eram concursados, totalizando 54% da força de trabalho da carreira.

Ao analisar o orçamento destinado à prevenção de arboviroses entre 2013 e 2023, observa-se um total de R$ 492,46 milhões, mas apenas R$ 251,40 milhões foram efetivamente investidos. A conclusão é que, ao longo da última década, a rede pública deixou de aplicar R$ 241,46 milhões na batalha contra a dengue.

A queda nos investimentos é evidente, com um investimento que foi de R$ 51 milhões em 2013 caindo para R$ 29,5 milhões em 2023. Essa redução de cerca de R$ 10 milhões no ano passado contribuiu para a atual crise, que já resultou em quase 30 mil casos prováveis e seis mortes pela dengue apenas no primeiro mês de 2024.

Diante da escassez de pessoal, a rede pública teve que recorrer a apoio externo, inclusive solicitando a ajuda do Corpo de Bombeiros Militar do DF e até do Exército para conter o avanço do mosquito.

O deputado distrital Gabriel Magno (PT) classificou a explosão de casos como uma ‘tragédia anunciada’, destacando o desmonte da rede pública. O Sindivacs-DF alerta para a falta crítica de pessoal e sugere a convocação imediata de 500 AVAs e 500 ACSs para suprir as vagas abertas pelos temporários.

Em resposta às críticas, a Secretaria de Saúde destaca o concurso vigente, com a nomeação antecipada de 75 agentes em janeiro de 2024, além de autorizar um crédito suplementar de R$ 20,5 milhões para pagamento de pessoal, possibilitando novas convocações nos próximos meses.

Com informações: Metrópoles

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Avanço crucial: Governador anuncia nomeação de servidores para a saúde do DF

Compromisso do SindSaúde garante fiscalização rigorosa e apoio contínuo aos servidores, fortalecendo o sistema de saúde para a comunidade Em...

SindSaúde apresenta minuta do acordo coletivo de 2024 ao Iges-DF

A diretora do SindSaúde, Laura Batista, entregou à gerente geral de pessoas do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde...

Conquistas justas: SindSaúde garante pagamento de retroativos para servidores da saúde

Nessa semana registramos um avanço significativo para os profissionais da saúde, com a determinação judicial que obriga o Governo...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img