27.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Ministra da Saúde sinaliza que o piso da Enfermagem deve sair em breve

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

Durante evento da Fiesp, em São Paula, nesta sexta-feira (10/3), a ministra da Saúde, Nísia Trindade, afirmou que a Medida Provisória que prevê compensações para estados e municípios para custear o novo piso salarial deve sair em breve.

Na afirmação, a ministra não falou uma data específica para a previsão, mas argumentou que faltam apenas “alguns ajustes” no texto.

A MP regulamentaria a transferência de recursos para efetivar o novo piso salarial da Enfermagem.

Desde o ano passado, a categoria vive o impasse em torno do Salário Nacional para os Enfermeiros. A criação do piso é alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal.

A ministra da Saúde não faz parte do grupo que discute a edição da MP, que é composto pelos ministros Fernando Haddad (Fazenda), Simone Tebet (Planejamento), Rui Costa (Casa Civil) e Alexandre Padilha (Relações Institucionais).

De acordo com a Lei nº 14.434, aprovada pelo Congresso Nacional, o valor do piso para enfermeiros é de R$ 4.750. Da quantia, 70% é destinado aos técnicos de enfermagem, e 50%, aos auxiliares de enfermagem e parteiras.

“Essa é uma ótima notícia! A declaração da Ministra da Saúde traz esperança de resolução para os Enfermeiros de todo o país que esperam uma solução positiva salarial há muito tempo”, cita Marli Rodrigues, presidente do SindSaúde.

Relembre:

No dia 20 de dezembro de 2022, o plenário do Senado aprovou, por unanimidade, a proposta de emenda à Constituição que viabiliza pagamento do piso da enfermagem (PEC 42/2022). Uma semana antes, o texto foi aprovado em dois turnos na Câmara dos Deputados.

Pela Lei 14.434, de 2022, os enfermeiros e enfermeiras têm direito a um piso de R$ 4.750. O valor é a referência para o cálculo dos vencimentos de técnicos (70%), auxiliares de enfermagem (50%) e das parteiras (50%).

A PEC direciona recursos do superávit financeiro de fundos públicos e do Fundo Social para financiar o piso salarial nacional da enfermagem no setor público, nas entidades filantrópicas e de prestadores de serviços com um mínimo de atendimento de 60% de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). 

O que disse o STF à época

O pagamento do piso foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal por decisão liminar do ministro Luís Roberto Barroso. O ministro determinou que a União, entes públicos e privados se manifestassem sobre o impacto financeiro da medida na qualidade dos serviços prestados na rede de saúde.

À época Barroso acatou o argumento das entidades privadas de que o Legislativo e Executivo aprovaram e sancionaram o projeto sem tomar providências que viabilizariam a sua execução, como o aumento da tabela de reembolso do Sistema Único de Saúde (SUS) à rede conveniada.

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Avanço crucial: Governador anuncia nomeação de servidores para a saúde do DF

Compromisso do SindSaúde garante fiscalização rigorosa e apoio contínuo aos servidores, fortalecendo o sistema de saúde para a comunidade Em...

SindSaúde apresenta minuta do acordo coletivo de 2024 ao Iges-DF

A diretora do SindSaúde, Laura Batista, entregou à gerente geral de pessoas do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde...

Conquistas justas: SindSaúde garante pagamento de retroativos para servidores da saúde

Nessa semana registramos um avanço significativo para os profissionais da saúde, com a determinação judicial que obriga o Governo...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img