20 C
Brasília
quarta-feira, 25 novembro, 2020

Reforma Administrativa promove perseguição aos servidores do Executivo

Regras não afetam juiz, parlamentar e militar

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

O Congresso Nacional recebeu a reforma administrativa pretendida pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 3 de setembro. Nesta primeira fase, as mudanças elaboradas pela equipe econômica do governo estão todas contidas numa única proposta de Emenda à Constituição (PEC), identificada como 32/2020.

A Constituição diz que uma proposta de emenda deve ser discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional em dois turnos e só pode ser aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos de senadores e deputados.

A proposta de reforma administrativa enviada ao Congresso Nacional pelo Palácio do Planalto, não afetará magistrados, parlamentares, militares e membros do Ministério Público. A PEC mantém a possibilidade de o militar da ativa permanecer ligado ao quadro das Forças Armadas caso tome posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária e não eletiva.

Durante o período em cargo público, o militar poderá continuar a ser promovido por antiguidade, e o tempo é contado para a transferência para a reserva.

“Essa categorias estão entre as que têm remunerações mais altas no serviço público. Não podemos chamar isso de reforma administrativa, o que o governo Bolsonaro está promovendo é uma perseguição aos Servidores do Executivo. Não há reforma desse jeito”, afirma a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues. 

Se a emenda constitucional for aprovada não precisa ser submetida a sanção presidente da República. Ela é promulgada pelas Mesas da Câmara e do Senado, passando a integrar definitivamente o texto da Constituição.

“Mais uma vez o governo Bolsonaro propõe uma reforma que precariza ainda mais o trabalhador que recebe pouco e privilegia quem já tem altos salários e diversas vantagens no serviço público”, completa Marli Rodrigues.

Extinção de cargos e órgãos 

A proposta do governo Bolsonaro quer dar mais poderes ao presidente da República para extinguir cargos, gratificações, funções e órgãos, transformar cargos vagos e reorganizar autarquias e fundações.

Com informações do UOL

- Advertisement -

Últimas Notícias

CLDF aprova adiamento de aumento da alíquota previdenciária e remanejamento de crédito para governo

Com derrubada de veto do governo, GDF só poderá cobrar aumento da reforma da previdência em janeiro

Plantão Covid 19 – acompanhe as principais notícias do Brasil e do mundo sobre o coronavírus [NOVEMBRO]

O SindSaúde-DF reúne abaixo as principais notícias sobre Coronavírus no Brasil e no mundo. Tudo que está...

Cenário mundial de violência contra a mulher é desolador, diz ONU

No dia Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher, balanço divulgado mostra que o cenário se agravou com o isolamento social
- Advertisement -
- Publicidade -
Precisa de ajuda??