16.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Crise à vista: Desmantelamento na Saúde Pública do DF antecede explosão de casos de dengue

Com perda de 36% dos Agentes e déficit de R$ 241 milhões em investimentos preventivos ao longo da última década

Saiba Mais

Antes do impacto devastador da explosão de casos de dengue que está assolando o Distrito Federal, a rede pública de saúde enfrentava uma crise silenciosa. No ano anterior, a força de combate aos focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, havia sofrido uma perda alarmante de 118% de sua força de trabalho. Além disso, ao longo dos últimos 10 anos, o DF deixou de investir expressivos R$ 241 milhões na prevenção de arboviroses.

A crise foi agravada pelo fato de que, há mais de uma década, o Distrito Federal não realizava contratações de agentes de saúde e vigilância. Diante do déficit de profissionais na linha de frente para conter a dengue e outras doenças, a Secretaria de Saúde recorreu à contratação de profissionais temporários. Contudo, esses contratos chegaram ao fim no segundo semestre de 2023 e não foram renovados.

De acordo com o Portal da Transparência do DF, em setembro de 2023, a rede pública contava com 2.120 Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) e Agentes de Vigilância Ambiental (AVAs), dos quais 776 eram servidores temporários dispensados com o término dos contratos. A falta de pessoal foi agravada pelo fato de que apenas 361 dos 1.314 ACSs eram efetivos, representando 27% do efetivo, e 436 dos 806 AVAs não eram concursados, totalizando 54% da força de trabalho da carreira.

Ao analisar o orçamento destinado à prevenção de arboviroses entre 2013 e 2023, observa-se um total de R$ 492,46 milhões, mas apenas R$ 251,40 milhões foram efetivamente investidos. A conclusão é que, ao longo da última década, a rede pública deixou de aplicar R$ 241,46 milhões na batalha contra a dengue.

A queda nos investimentos é evidente, com um investimento que foi de R$ 51 milhões em 2013 caindo para R$ 29,5 milhões em 2023. Essa redução de cerca de R$ 10 milhões no ano passado contribuiu para a atual crise, que já resultou em quase 30 mil casos prováveis e seis mortes pela dengue apenas no primeiro mês de 2024.

Diante da escassez de pessoal, a rede pública teve que recorrer a apoio externo, inclusive solicitando a ajuda do Corpo de Bombeiros Militar do DF e até do Exército para conter o avanço do mosquito.

O deputado distrital Gabriel Magno (PT) classificou a explosão de casos como uma ‘tragédia anunciada’, destacando o desmonte da rede pública. O Sindivacs-DF alerta para a falta crítica de pessoal e sugere a convocação imediata de 500 AVAs e 500 ACSs para suprir as vagas abertas pelos temporários.

Em resposta às críticas, a Secretaria de Saúde destaca o concurso vigente, com a nomeação antecipada de 75 agentes em janeiro de 2024, além de autorizar um crédito suplementar de R$ 20,5 milhões para pagamento de pessoal, possibilitando novas convocações nos próximos meses.

Com informações: Metrópoles

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Servidores do Gama recebem diretores do SindSaúde e esclarecem dúvidas sobre perdas Salariais

Nessa  quinta-feira (20), os servidores do Hospital Regional do Gama (HRG) participaram de uma assembleia regional organizada pelo SindSaúde....

Servidores do HMIB participam da assembleia regional organizada pelo SindSaúde

Na manhã desta terça-feira (18), os servidores da saúde do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) participaram da assembleia...

Servidores do Hospital Regional de Sobradinho se reúnem com diretores do SindSaúde para cobrar recomposição salarial

Na manhã desta quinta-feira (13), dezenas de servidores do Hospital Regional de Sobradinho (HRS) participaram da assembleia com os...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img