“Hospital tem que ser último recurso para tratar saúde mental”, defende Paulo Delgado

“Hospital tem que ser último recurso para tratar saúde mental”, defende Paulo Delgado

19/03/2019 - 12:33 // Por SindSaúde DF // Imagens: Divulgação // Notícias

Sociólogo aposta na NovaMente como política pública para acolhimento e escuta dos servidores

Responsável pela lei que acabou com os manicômios no Brasil, o professor e sociólogo Paulo Delgado conheceu o Centro de Atendimento e Estudos da Saúde do Servidor Público do DF (Espaço NovaMente) e se tornou defensor da expansão do projeto como exemplo de mudança de perspectiva no tratamento da saúde mental.

“Temos que entender que o hospital é sempre o último recurso. Uma pessoa com transtorno e doença mental não precisa ter uma vida hospitalar, principalmente porque ela não é contagiosa. Uma pessoa com a saúde mental debilitada precisa de acolhimento, atendimento aberto e espaços de liberdade. E é isso que a NovaMente vai oferecer”, explica Delgado.

Para ele, a criação de espaços como a NovaMente ajudarão na mudança de paradigma como “modelo exemplar que vai se expandir para outras áreas da administração pública do DF e contaminar o país”.

“Isso não é regra da administração publica, mas, em muitos casos, as repartições públicas no Brasil têm ambientes opressivos que levam o servidor à depressão, perda da autoconfiança, da autoestima e do amor próprio. Esse projeto vai ajudar o Brasil a pensar outras formas de acolher as pessoas que estão em sofrimento”, acredita o sociólogo.

Conflitos

Paulo Delgado defende que o país não precisa de novas leis e sim de aplicar o que já está previsto. Uma das causas do aumento de problemas de saúde mental, na opinião dele, são conflitos que sempre existiram no Brasil, entre eles o das políticas sociais em relação aos orçamentos públicos.

“A sociedade tem uma tendência a imaginar que as áreas econômicas são mais importantes que as sociais. E a sociedade precisa entender que optar pelo desenvolvimento sem se preocupar com saúde mental é assumir que não se terá um bom desenvolvimento econômico”, diz.

NovaMente

O Centro de Atendimento e Estudos da Saúde do Servidor Público do DF fará o acolhimento e atendimento de servidores da Saúde que sofrem com problemas de saúde mental e foram afastados do trabalho em função do adoecimento.

Eles serão atendidos por uma equipe multidisciplinar de psicólogos, assistentes social, fisioterapeuta, enfermeiro, educador físico, nutrólogo e terapeuta ocupacional.

O espaço, de 4 mil metros quadrados de área verde e 800 mil metros quadrados de área construída, fará uma ponte entre o tratamento oferecido na rede pública e privada aos servidores e demais espaços para acolhimento.

Servidor doente

Segundo dados do relatório da Diretoria de Epidemiologia em Saúde do Servidor (2015 - 2017), 40 mil atestados foram emitidos para servidores da assistência à Saúde nesse período. Desses, 22,6% dos afastamentos foram por ansiedade, depressão e estresse grave - ou seja, a cada 5 afastamentos, 1 é por motivo de doença psicológica.


Clique aqui e acesse o site NovaMente

Veja também:

Notícias Saúde prepara contratação temporária de 900 profissionais para combater a Covid-19 Cadastro para temporários abrange várias áreas, como médicos, enfermeiros e especialistas Um edital para seleção de...
Notícias Saúde paga R$ 6,4 milhões em TPD nesta quarta-feira No total, 4.647 servidores vão receber por trabalho extra de março A Secretaria de Saúde efetuará,...
Notícias Modernização das carreiras de Assistência à Saúde pode começar este ano Publicação da Lei de Diretrizes Orçamentárias referente a 2020 no DODF prevê R$ 105,5 milhões...
Notícias SES amplia carga horária de mais 108 servidores da pasta Trabalhadores farão 40 horas semanais para auxiliar no atendimento A Secretaria de Saúde ampliou a carga...