“Hospital tem que ser último recurso para tratar saúde mental”, defende Paulo Delgado

“Hospital tem que ser último recurso para tratar saúde mental”, defende Paulo Delgado

19/03/2019 - 12:33 // Por SindSaúde DF // Imagens: Divulgação // Notícias

Sociólogo aposta na NovaMente como política pública para acolhimento e escuta dos servidores

Responsável pela lei que acabou com os manicômios no Brasil, o professor e sociólogo Paulo Delgado conheceu o Centro de Atendimento e Estudos da Saúde do Servidor Público do DF (Espaço NovaMente) e se tornou defensor da expansão do projeto como exemplo de mudança de perspectiva no tratamento da saúde mental.

“Temos que entender que o hospital é sempre o último recurso. Uma pessoa com transtorno e doença mental não precisa ter uma vida hospitalar, principalmente porque ela não é contagiosa. Uma pessoa com a saúde mental debilitada precisa de acolhimento, atendimento aberto e espaços de liberdade. E é isso que a NovaMente vai oferecer”, explica Delgado.

Para ele, a criação de espaços como a NovaMente ajudarão na mudança de paradigma como “modelo exemplar que vai se expandir para outras áreas da administração pública do DF e contaminar o país”.

“Isso não é regra da administração publica, mas, em muitos casos, as repartições públicas no Brasil têm ambientes opressivos que levam o servidor à depressão, perda da autoconfiança, da autoestima e do amor próprio. Esse projeto vai ajudar o Brasil a pensar outras formas de acolher as pessoas que estão em sofrimento”, acredita o sociólogo.

Conflitos

Paulo Delgado defende que o país não precisa de novas leis e sim de aplicar o que já está previsto. Uma das causas do aumento de problemas de saúde mental, na opinião dele, são conflitos que sempre existiram no Brasil, entre eles o das políticas sociais em relação aos orçamentos públicos.

“A sociedade tem uma tendência a imaginar que as áreas econômicas são mais importantes que as sociais. E a sociedade precisa entender que optar pelo desenvolvimento sem se preocupar com saúde mental é assumir que não se terá um bom desenvolvimento econômico”, diz.

NovaMente

O Centro de Atendimento e Estudos da Saúde do Servidor Público do DF fará o acolhimento e atendimento de servidores da Saúde que sofrem com problemas de saúde mental e foram afastados do trabalho em função do adoecimento.

Eles serão atendidos por uma equipe multidisciplinar de psicólogos, assistentes social, fisioterapeuta, enfermeiro, educador físico, nutrólogo e terapeuta ocupacional.

O espaço, de 4 mil metros quadrados de área verde e 800 mil metros quadrados de área construída, fará uma ponte entre o tratamento oferecido na rede pública e privada aos servidores e demais espaços para acolhimento.

Servidor doente

Segundo dados do relatório da Diretoria de Epidemiologia em Saúde do Servidor (2015 - 2017), 40 mil atestados foram emitidos para servidores da assistência à Saúde nesse período. Desses, 22,6% dos afastamentos foram por ansiedade, depressão e estresse grave - ou seja, a cada 5 afastamentos, 1 é por motivo de doença psicológica.


Clique aqui e acesse o site NovaMente

Veja também:

Notícias Jurídico é vitorioso em ação de servidora no valor de R$ 170 mil Além de processos trabalhistas, advogados do SindSaúde também atuam em todas as outras áreas O Departamento...
Notícias SES faz esquema especial para retirada de remédios nesta semana Devido ao ponto facultativo, pacientes que precisam de medicamentos de alto custo devem ficar atentos...
Notícias SindSaúde cobra melhores condições de trabalho na Região Centro Sul Presidente Marli Rodrigues se reuniu com a superintendente Moema no Guará e levou diversas demandas...
Notícias SES amplia a carga horária de 40 servidores SindSaúde entregou, no início do ano, uma lista de servidores que querem aumentar a jornada...