22.5 C
Brasília
sexta-feira, 28 janeiro, 2022

Iges-DF pretende demitir 140 trabalhadores?

SindSaúde não vai admitir esta atitude e já recorreu ao governador contra os desligamentos

Saiba Mais

SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

Chegou ao conhecimento do SindSaúde diversos relatos, por e-mail e mensagens de WhatsApp, de trabalhadores e trabalhadoras, sendo a maioria mulheres, do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), temendo uma lista de mais de 140 profissionais que seriam demitidos.

Veja algumas mensagens:

Após o recebimento dos pedidos de ajuda, mesmo com suas divergências ideológicas, mas entendendo que o momento da pandemia não é favorável para desligamentos, além de estar preocupado com as famílias que ficarão sem recursos neste final de ano, o sindicato já recorreu ao governador Ibaneis Rocha (MDB) para que tal atitude não seja efetivada e entregou nesta sexta-feira (26) um ofício à diretoria do Instituto, com cópia ao Secretário de Saúde, repudiando estas demissões.

Para a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, o momento pede uma luta incansável contra o desemprego que assola diversos lares no Brasil. “Mesmo com nossa opinião contrária sobre a criação do Iges-DF pelo governo Rollemberg, não vamos apoiar a demissão de ninguém. Estamos lutando contra o desemprego em Brasília. Os trabalhadores podem ter certeza que o SindSaúde está ao lado deles contra esta maldita lista de 140 demissões no Instituto”, declara Marli.  

Clima organizacional desconfortável

O sindicato já acionou o Poder Executivo local acerca destes desligamentos que tanto vão impactar na vida destas famílias.  Segundo os relatos, existe um verdadeiro terrorismo no Iges-DF a respeito desta lista de demissões, o que causa um clima organizacional desconfortável e impróprio para uma boa execução das atividades.

“Os serviços de saúde são fundamentais, sobretudo neste momento, os heróis da saúde precisam ser respeitados e não serem amedrontados com o despautério de listas de demissão que podem ser vistas como assédio que causa instabilidade em um ambiente que necessita de tranquilidade para ser bem executado, como é o atendimento a um paciente”, pondera Marli.

Um ofício foi entregue ao Iges-DF, nesta sexta-feira (26), à diretoria do Instituído para que estas demissões não ocorram.

CLIQUE AQUI e leia o ofício na íntegra

“Brasília tem dado exemplo com seus heróis da saúde e essa lista é um desrespeito aos que tanto se dedicaram e continuam se dedicando para salvar vidas ao longo da crise sanitária do novo coronavírus”, diz a presidente Marli.

O Sindicato já se movimentou e está ao lado dos trabalhadores e de suas famílias.

Na contramão da Economia

Para a diretoria do SindSaúde, esta posição do Iges-DF vai contra a política adotado pela atual gestão da Economia do DF que é de geração de empregos e renda, diminuição de impostos, combate a fome e aquecimento econômico. Interesses ocultos nesta lista de demissões não podem manchar um planejamento que tem se mostrado eficaz.  

“A direção do Iges-DF tem que avaliar se quer comprar esta briga. Viva a proteção do emprego do povo de Brasília, onde ele estiver”, finaliza Marli.

  • Aguarde novas atualizações sobre o caso
- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

2.712 servidores recebem mais de R$ 9,8 milhões em pecúnias nesta sexta (28/1)

A Secretaria de Saúde do DF divulgou o pagamento de R$ 9.817.703,40 (nove milhões, oitocentos e dezessete mil, setecentos...

SES paga TPD de novembro nesta sexta-feira (28)

Secretaria de Saúde paga na noite desta sexta-feira (28), os valores referentes ao Trabalho por Período Determinado (TPD) realizado...

Anvisa aprova uso de autotestes de Covid no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta sexta-feira (28), durante sua 3ª Reunião Extraordinária Pública do ano,...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img