21.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

SEQUELAS: Abandono na Saúde se repete no segundo maior hospital do DF

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

Relatório da SES afirma que o HRT conta apenas com um médico no Pronto-Socorro e gambiarra na rede elétrica

Selo sequelasO Hospital Regional de Taguatinga (HRT), a segunda maior unidade de saúde do Distrito Federal, passa por inúmeros problemas, que vão desde a sua infraestrutura até o atendimento à população. O transtorno mais recente foi registrado na manhã desta quinta-feira (24). Um princípio de incêndio assustou funcionários e pacientes do Pronto-Socorro da unidade. Em nota, a Secretaria de Saúde informou que o princípio de incêndio foi causado por um curto circuito na galeria da rede elétrica do HRT, o que acabou ocasionando o rompimento de um cano d’água nesse local. Não houve vítima no incidente, mas houve correria e muitos pacientes criticaram a estrutura da unidade.

Um relatório do início deste mês, produzido pela atual equipe da Secretaria de Saúde, já apontava outras falhas. De acordo com o documento, a emergência do HRT conta apenas com um médico. O relatório aponta ainda que o Pronto-Socorro do hospital descumpre o total de horas mínimas de atendimento, estabelecida por uma portaria da SES, que seria de 1.000 horas, mas oferece 360 horas. Além disso, faltam anestesistas para a realização de cirurgias eletivas (sem urgência).

Em relação à infraestrutura da unidade, a vistoria encontrou pisos e paredes descascadas, gambiarras na fiação elétrica e na rede de internet, ar condicionados velhos, mobiliário ou e sem funcionamento, mobiliário caindo aos pedaços, entre outros problemas.

Outro problema apresentado no relatório é o único tomógrafo do HRT que, por ser muito antigo, quebra com frequência. Em novembro do ano passado, o SindSaúde noticiou o caso de uma idosa que corria risco de morte por falta de um exame no equipamento.

A presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, espera que o documento sirva de forma efetiva para a solução dos problemas da saúde. “Esse relatório só expõe de forma mais clara tudo o que já sabíamos, a Saúde do DF está a Deus-Dará. Cabe ao atual governo resolver esse problema da forma mais enérgica possível”.

Estudo
O documento serviu de base para que o governador Ibaneis Rocha (MDB) decretasse situação de emergência na Saúde do DF. A medida, entre outras coisas, permite ao Executivo fazer compras sem licitação e liberar horas extras aos servidores.

Questionada sobre quais medidas poderão ser tomadas, a Secretária de Saúde informou, em nota, “que a decretação do Estado de Emergência na Saúde permitirá ao Governo do Distrito Federal, assim que aprovado pela Câmara Legislativa, adotar todas as ações necessárias para restabelecer a qualidade do atendimento prestado à população na rede pública de saúde”. Além disso, de acordo com a pasta, “a medida possibilitará mais agilidade nas contratações e nos contratos de manutenção de equipamentos, além de proporcionar melhores condições para a compra de medicamentos e insumos, entre outras iniciativas”. 

 

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Mais servidores recebem pagamentos por direitos garantidos, quase 15 mil reais pagos

O departamento jurídico do SindSaúde continua a lutar incansavelmente pelos direitos dos servidores, resultando em pagamentos semanais para dezenas...

A ponta do Iceberg da triste realidade da saúde pública do Distrito Federal

A face visível do problema da saúde pública no Distrito Federal revela-se através de um cenário alarmante: metade das...

SindSaúde e trabalhadores do IGES/DF aprovam acordo coletivo de 2024 em assembleias

SindSaúde e trabalhadores do Iges/DF aprovam, com ressalvas, o acordo coletivo de 2024 em assembleias realizadas nas unidades do...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img