23.5 C
Brasília
quinta-feira, 25 abril, 2024

Servidora aposentada é indenizada após plano de saúde se negar a aceitar filho deficiente

Com o apoio do Jurídico do SindSaúde, ela teve o direito reconhecido pela Justiça

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

Imagine receber a informação de uma promoção de plano de saúde para servidores do GDF, entrar em contato com o corretor, enviar toda a documentação e receber a notícia: não aceitamos você e seu filho porque ele tem uma deficiência. 

Revoltante, né? Foi o que aconteceu com a servidora aposentada Maria Aparecida Martins Pereira, de 62 anos. 

Porque o filho dela, Nivanaldo, de 44 anos, tem uma deficiência por paralisia cerebral, a Unimed se negou a aceitar a servidora e seu filho no plano de saúde. 

“Eu fiquei muito chateada, indignada. No primeiro momento, o corretor ligou no plano na minha frente, explicou a deficiência dele e não houve problema nenhum. Pagamos até a adesão. Depois, começaram a me enrolar e confirmaram o preconceito”, explica Maria Aparecida. 

Busca por Justiça

A servidora, que trabalhou por 33 anos no Hospital de Base, a maioria deles na Farmácia, já sabia que podia contar com o Jurídico do SindSaúde-DF para buscar seus direitos na Justiça.

O Jurídico acionou a Justiça em 2016 e, este ano, Maria Aparecida venceu o plano de saúde, conseguiu uma indenização e os valores todos restituídos. 

Alguns anos atrás, a sindicalizada também utilizou os serviços dos advogados do sindicato para garantir a curatela do filho. 

Nivanaldo teve meningite e paralisia cerebral quando tinha 2 anos e sempre precisou dos cuidados da mãe. Os custos são altos com fraldas, medicações e tratamentos. 

“Nos momentos mais difíceis é muito importante a gente ter apoio para buscar o direito que temos. O Sindicato nunca desistiu de me ajudar, mesmo quando perdemos num primeiro julgamento. Sempre demora, a Justiça não é rápida, mas a vitória é muito boa”, completa. 

Filho especial

Para Maria Aparecida, a Justiça indenizá-la pelo preconceito do plano de saúde com o filho especial foi motivo de muita alegria e sentimento de que a injustiça com o filho não continuaria. 

“Ter um filho especial não vale nada? Era essa a pergunta que eu fazia o tempo todo. Para eles não valia, mas para o sindicato e para mim ele tem muito valor. Sou muito grata pela ajuda”, ressalta a servidora. 

Vitória do Jurídico do SindSaúde-DF

O Jurídico do SindSaúde faz parte da história da Maria Aparecida e de milhares de servidores da Saúde do DF. 

Nesse momento difícil de pandemia, o Jurídico do SindSaúde não parou.

Os nossos advogados continuam os atendimentos a servidores sindicalizados por videochamada. A medida foi disponibilizada para abertura de novos processos e para situações.

As solicitações de novas demandas devem ser feitas pelo servidor via WhatsApp Jurídico, já os casos emergenciais serão avaliados pela coordenação e, caso necessário, será agendado o atendimento por vídeo, de acordo com calendário da equipe de advogados.

A consulta a processos em andamento e outras dúvidas continuam a ser recebidas e avaliadas por mensagem no número: 61 99918-2715 – WhatsApp do Jurídico.

Leia mais notícias e vitórias do Jurídico

- Advertisement -spot_img

Últimas Notícias

Estudo do SindSaúde revela perda salarial de 37,8% para os servidores da saúde, gerando revolta e mobilização

Ser aprovado em um rigoroso concurso público, atravessando diversas etapas em busca da tão almejada estabilidade e segurança na...

Mais servidores recebem pagamentos por direitos garantidos, quase 15 mil reais pagos

O departamento jurídico do SindSaúde continua a lutar incansavelmente pelos direitos dos servidores, resultando em pagamentos semanais para dezenas...

A ponta do Iceberg da triste realidade da saúde pública do Distrito Federal

A face visível do problema da saúde pública no Distrito Federal revela-se através de um cenário alarmante: metade das...
- Advertisement -spot_img
- Publicidade -spot_img