30 C
Brasília
quinta-feira, 1 outubro, 2020

SindSaúde vai para a rua contra PLP 257/2016

Saiba Mais

SindSaúde DF
SindSaúde DF
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal

O governo federal enviou na última semana o Projeto de Lei Presidencial 257/2016 (PLP) que impõe regras para as unidades da Federação renegociarem suas dívidas públicas com a União. Entre as regras consideradas absurdas está o programa de demissão voluntária, que prevê o corte de servidores por meio de demissões e a licença incentivada.

De acordo com o texto enviado pelo Executivo federal, as unidades da Federação precisão reduzir em 30% seus gastos com pessoal, demitindo servidores comissionados, não dando reajustes, a perda de gratificações, assim como a contratação de novos servidores.

Caso as medidas não sejam suficientes, a proposta é a demissão voluntária e licença incentivada. A demissão voluntária não tira a estabilidade dos servidores de carreira, entretanto permite a redução de benefícios e que eles deixem seus cargos, no claro intuito de reduzir o tamanho do Estado. O mesmo ocorre com a licença incentivada, que tem o objetivo de reduzir os gastos com a folha de pagamento dos empregados e servidores.

A presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, se posicionou contra a proposta, que para ser efetivada e vigorar no Distrito Federal precisa ter o aval do governador Rodrigo Rollemberg. Ocorrido isso, os servidores ficarão sem reajustes por pelo menos 24 meses. Enquanto isso a questão sobre o pagamento dos reajustes de outubro do ano passado, que ficaram para o segundo semestre deste ano, se transformam em uma incógnita.

Para a sindicalista, o projeto do governo vai “engrossar” o número de manifestantes pelas ruas do país contrários ao governo da presidente Dilma Rousseff, por se tratar de matéria impopular em momentos de crise, como a que está sendo vivenciada na economia.

Contrários

O deputado Rôney Nemer afirma que não há previsão de que a proposta seja votada nesta terça-feira (29), mas também se posicionou contra a medida. Outro parlamentar que já se colocou desfavorável à medida foi Alberto Fraga, que vai propor emendas ao texto original ou a rejeição completa do PLP.

A proposta ainda pode receber emendas, por esse motivo, os deputados acreditam que a matéria não será votada nesta terça-feira.

No mesmo dia, estão previstas manifestações de servidores a partir das 9h em frente ao Congresso Nacional. A ação deve durar todo o dia, com a intenção de evitar o avanço do PLP 257/2016.

Proposta

A proposta apresentada pelo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, tem o objetivo de renegociar a dívida das unidades da Federação com a União, ampliando o prazo para o pagamento dos débitos em até 20 anos.

Com isso, se espera que os estados e o Distrito Federal possam recuperar sua força de investimento, ainda que precisem cortar o número de servidores efetivos e comissionados, além do congelamento de salários.

https://www.youtube.com/watch?v=EYSth6qVXjI

- Advertisement -

Últimas Notícias

Outubro Rosa: Mesmo com a pandemia a prevenção do câncer de mama não pode parar

Já virou tradição que em outubro os estabelecimentos de saúde, assim como outras instituições, além de campanhas...

Plantão Covid 19 – acompanhe as principais notícias do Brasil e do mundo sobre o coronavírus

O SindSaúde-DF reúne abaixo as principais notícias sobre Coronavírus no Brasil e no mundo. Tudo que está...

Servidores da Saúde receberão R$ 7,3 milhões em pecúnias nesta quinta-feira

Ao todo, 2.477 servidores aposentados receberão mais uma parcela do acordo
- Advertisement -
- Publicidade -
Precisa de ajuda??