31/03/2020 - 11:16 Escrito por SindSaúde DF Notícias

Profissionais da saúde devem se vacinar contra a gripe

Informação adicional
  • Imagens: Éder Oliveira

Nova etapa da campanha tem por foco os trabalhadores da área 

Seguindo o cronograma da campanha nacional de vacinação contra a influenza no DF, começa a etapa de imunização dos profissionais da saúde. De acordo com a Secretaria de Saúde, 93% dos idosos foram vacinados na primeira semana de campanha e os que ainda não foram imunizados podem procurar qualquer posto de vacinação até o dia 22 de maio.

Os trabalhadores da saúde devem procurar qualquer posto de vacinação, porém o sistema de drive-thru e de ordem alfabética não são mais realizados.

A ideia era isolar o grupo de risco do novo coronavírus, os idosos, dos demais públicos alvo da campanha de imunização, após o sistema de divisão por ordem alfabética e o drive-thru de vacinação, mais de 190 mil pessoas com mais de 60 anos já foram imunizadas contra a gripe.

Até o fim da campanha a estimativa é que o Ministério da Saúde envie mais de 1 milhão de doses ao DF. O objetivo é vacinar 90% do público-alvo no DF que soma mais de 900 mil pessoas. 

CRONOGRAMA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE:

– 23 de março a 22 de maio: pessoas com mais de 60 anos

– 30 de março a 22 de maio: profissionais da saúde

– 16 de abril a 22 de maio: professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas.

– 9 a 22 de maio: crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, adultos de 55 a 59 anos de idade e pessoas com deficiência.

CLIQUE AQUI E VEJA A LISTA COMPLETA DE POSTOS DE VACINAÇÃO NO DF

  • A vacina contra a gripe não previne do vírus Covid-19, por isso, são necessários manter o isolamento e a higienização correta das mãos e superfícies mesmo após ser vacinado. A ideia é reduzir doentes por outras doenças durante a pandemia.

Suspensão das vacinas de rotina

A SES divulgou que por conta da pandemia do Covid-19 e da campanha de vacinação nacional contra a gripe, as vacinas de rotina estão suspensas na Rede até 15 de abril. São consideradas de rotina as doses de tetravalente, poliomielite, tríplice viral, hepatite, febre amarela, entre outras.

Esta iniciativa visa diminuir o contato de crianças e os pais, com o público alvo da campanha que são os idosos e assim os proteger da contaminação do coronavírus.

23/03/2020 - 10:49 Escrito por SindSaúde DF Notícias

Campanha de vacinação contra gripe começa com novas regras. Entenda

Informação adicional
  • Imagens: Éder Oliveira

Por conta da pandemia de coronavírus, a imunização foi antecipada e seguirá ordem alfabética para idosos

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza foi antecipada, e inicia nesta segunda (23) e ocorrerá no período de 23 de março a 22 de maio. A Secretaria de Saúde do Distrito Federal disponibilizará 128 postos de vacinação.

A distribuição das doses serão ministradas primeiro aos idosos, em seguida aos profissionais da saúde, educação, pacientes crônicos, crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes,  povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medida socioeducativa, população do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, adultos de 55 a 59 anos e pessoas com deficiência.

Em resposta a pandemia de coronavírus outras novidades foram adotadas. A SES publicou que este ano a vacinação poderá ocorrer em forma de drive-thru, ou seja, em locais com estacionamentos maiores e que o idoso possa ir de carro, e receber a vacina no próprio automóvel. Além disso, para evitar aglomerações, nesta primeira semana, que é exclusiva para os idosos (60 anos ou mais), a imunização será aplicada em ordem alfabética (conforme tabela abaixo).

– 23/03 Idosos cujo nome comece com as letras A, B, C, D e E

– 24/03 Idosos cujo nome comece com as letras F, G, H, I e J

– 25/03 Idosos cujo nome comece com as letras K, L, M, N e O

– 26/03 Idosos cujo nome comece com as letras P, Q, R, S, e T

– 27/03 Idosos cujo nome comece com as letras U, V, W, X, Y e Z

Pessoas acamadas/institucionalizadas com mais de 60 anos de idade podem agendar o recebimento da vacina em domicílio, a partir de 23 de março, pelo telefone 160.

De acordo com a Pasta, o DF recebeu 60.800 doses de vacinas. O restante será enviado pelo Ministério da Saúde, em um cronograma com 14 entregas semanais. A estimativa é que chegue a mais de 1 milhão de doses.

O objetivo é vacinar 90% do público-alvo no DF que soma mais de 900 mil pessoas. 

Segundo o secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo, é importante que se evitem aglomeraçõesna hora da vacinação, por isto, a estratégia de dividir por ordem alfabética e o sistema de drive-thru. “O objetivo é evitar as grandes filas que se formam no início das campanhas. Por isso, pedimos que respeitem o cronograma, mas caso algum idoso se confunda no dia, será vacinado também. O objetivo da gente é proteger ao máximo nossos idosos, que é o grupo mais vulnerável ao coronavírus. Por isso, o atendimento das salas de vacina serão de 8h às 22h”, afirma Francisco.

CRONOGRAMA:

– 23 de março a 22 de maio: pessoas com mais de 60 anos

– 30 de março a 22 de maio: profissionais da saúde

– 16 de abril a 22 de maio: professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas.

– 9 a 22 de maio: crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, adultos de 55 a 59 anos de idade e pessoas com deficiência.

CLIQUE AQUI E VEJA A LISTA COMPLETA DE POSTOS DE VACINAÇÃO NO DF

  • A vacina contra a gripe não previne do vírus Covid-19, por isso, são necessários manter o isolamento e a higienização correta das mãos e superfícies mesmo após ser vacinado. A ideia é reduzir doentes por outras doenças durante a pandemia.
23/04/2019 - 17:32 Escrito por SindSaúde DF Notícias

Trabalhadores da Saúde já podem se vacinar na campanha contra a gripe

Informação adicional
  • Imagens: Bruno Leão

Começou a segunda fase da campanha de imunização contra a doença

A partir de 22 de abril, além das crianças e gestantes, que desde 10 de abril já podiam se vacinar, outros públicos-alvo da ação serão incluídos na lista de vacinação.

Devem ser vacinadas as mulheres com até 45 dias após o parto, pessoas com 60 anos ou mais de idade, trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, povos indígenas, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade em medida socioeducativa, a população privada de liberdade e os servidores do sistema prisional.

De acordo com o Ministério da Saúde, em todo o Distrito Federal já foram registrados cincos casos de Influenza (doença respiratória infecciosa de origem viral). Para essa região, a pasta encaminhou 841 mil doses da vacina. Em todo o país, foram 255 registros.

Ao contrário do que alguns pensam a vacina não causa a gripe. Ela permite que o paciente fique imune aos tipos de vírus mais comuns em circulação sem ficar doente. A meta do Ministério da Saúde é que até 31 de maio 90% do público-alvo de cada grupo prioritário seja vacinado. No Distrito Federal a intenção é imunizar aproximadamente 778 mil pessoas.

O Dia D de Mobilização Nacional está marcado para 4 de maio.

Clique aqui e saiba onde se vacinar.

12/06/2017 - 11:54 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Hoje termina campanha de vacinação

R7df

Segundo dados divulgados, 90% do público-alvo foi vacinado. Nas crianças, taxa foi de 60%.

Assista a reportagem completa AQUI

Fonte: DF no AR

08/06/2017 - 10:16 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Vacina contra gripe acaba em postos de saúde de 12 regiões do DF

Secretaria de Saúde informou que não haverá reposição de estoques. Segundo pasta, há cerca de 30 mil vacinas restantes em todo Distrito Federal.

Os estoques de vacina contra a gripe acabaram em postos de saúde de 12 regiões Distrito Federal e não haverá reposição, informou a Secretaria de Saúde.
Segundo a pasta, unidades em Planaltina, Samambaia, Mestre Darmas, Arapoangas, Asa Sul, Guará, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Riacho Fundo I e II, Parkway e Lago Sul estão "zeradas". Moradores afirmam que, na Asa Norte, também não há mais vacinas disponíveis.
A imunização foi liberada para toda a população na última a segunda-feira (5) em razão da baixa procura dos grupos de risco. Nesta quarta (7), a pasta informou que havia cerca de 30 mil doses restantes em todo o DF.
Para as crianças imunizadas pela primeira vez, que precisam tomar a segunda dose 30 dias após a primeira, as vacinas foram reservadas.

A campanha foi lançada em 17 de abril para crianças com entre 6 meses e 5 anos, gestantes, mães há menos de 45 dias, profissionais de saúde, idosos, indígenas, presidiários e funcionários do sistema prisional, pacientes com doenças crônicas e professores.
Como estes grupos não antingiram a meta de imunização, a campanha – que deveria ter sido encerrada em 26 de maio – foi prorrogada duas vezes. Segundo último levantamento da Secretaria de Saúde, 83,4% do público-alvo haviam sido vacinados até o começo desta semana. O objetivo do governo era atingir 90%, o equivalente a 687.155
Segundo o secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Daniel Seabra, o baixo índice de mortes e contaminação pelo vírus é um fator que contribuiu para a baixa demanda pela vacina. Dados da secretaria mostram que, no ano passado, o vírus H1N1 causou 17 mortes no DF. Em 2017, foram registrados dois óbitos por contaminação pelo vírus H1N3.

Fonte: G1

06/06/2017 - 13:48 Escrito por Jurana Lopes Notícias

Imunização ou risco à saúde?

SES quer imunizar maior número de pessoas possíveis contra a gripe, no entanto, não designou servidores suficientes e vacinas estão sem armazenamento adequado

Por não ter atingido a meta de imunização dos grupos de risco, o GDF decidiu liberar a vacina contra a gripe(H1N1) para toda a população desde ontem (5/6). No entanto, esqueceu-se de ampliar a quantidade de servidores para realizar o atendimento e não preparou os centros de saúde adequadamente.

De acordo com a denúncia de uma servidora de São Sebastião, na unidade em que ela trabalha haviam somente quatro servidores, sendo um enfermeiro, dois técnicos de enfermagem e um auxiliar de enfermagem, para atender mais de 500 pessoas que foram se vacinar apenas no período matutino.

“Isso chega a ser desumano. Quatro servidores para atender uma demanda tão grande. Mal podíamos ir ao banheiro”, denuncia.

A servidora informou também que as vacinas estão sendo aplicadas nos corredores do centro de saúde, ao invés de salas apropriadas com pias para higienização das mãos, por exemplo. Além disso, as doses estão armazenadas em caixas, sem refrigeração alguma. Enquanto isso, a Diretora Regional de Atenção Primária à Saúde (DIRAPS) cobra resultados dos postos de saúde.

06/06/2017 - 10:45 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Procura por vacina contra gripe movimenta postos de saúde do DF

Ministério da Saúde determinou que imunização não ficaria mais restritas aos grupos prioritários. No DF, vacinação começou nessa segunda-feira.

Moradores do Distrito Federal foram aos postos de saúde para tomar a vacina contra a gripe nesta segunda-feira (5), primeiro dia em que a imunização foi liberada para todos os públicos. Nos postos visitados pelo G1 na Asa Norte, no Guará e na Estrutural a procura foi grande. Houve até fila.
Nos centros de saúde n° 11 da 905 norte e no n° 12 da 408 norte, a vacina estava liberada para todos. Na 408, às 12h30, cerca de 50 pessoas esperavam a abertura da sala de vacina prevista para às 13h. Na 905, de acordo com um funcionários, que preferiu não se identificar, todas as vacinas foram aplicadas de manhã e mais um lote chegaria a tarde.
Uma moradora, que não quis dizer o nome, estava na fila do posto de saúde da 408 desde cedo. Ela disse que está dentro do grupo prioritário da campanha porque é diabética, mas ainda não tinha conseguido tomar a vacina.
"Tentei tomar durante o período em que a vacinação era restrita, mas não consegui porque quiseram um pedido do médico. Resolvi vir hoje logo, por medo de acabarem as doses.”

No Posto Lúcio Costa no Guará, até às 11h, 98 pessoas foram vacinadas. Delas, oito eram crianças, quatro idosos e os 84 restantes estavam dentro do público geral. De acordo com a enfermeira Keila Lopes, como o anúncio da liberação da vacina foi feito de última hora nem todos os postos conseguiram fazer o pedido para reforçar o estoque.
"Ainda temos 120 doses, o que é o necessário para vacinar hoje. Acredito que não teremos problemas."
Daniel Alessandro Coelho e Fernanda Coelho levaram a filha Gabriela, de cinco anos, para vacinar no posto do Guará junto com eles. "A gente já tinha tentado vacinar pelo menos ela, mas não conseguimos porque ela já tinha feito cinco anos. É um alívio ter conseguido pra todo mundo agora", disse a mãe de Gabriela.
O empresário Aliomar Andrade Júnior também aproveitou o primeiro dia da liberação da vacina. "Como eu preciso viajar muito e lido com diversas pessoas vai ser uma garantia. Os laboratórios particulares estavam colocando um preço alto e eu não pensei em tomar", contou.
No centro de saúde n° 4 da Estrutural, as enfermeiras ainda aguardavam orientação da Secretaria de Saúde para saber como proceder em relação à grande demanda, já que não havia quantidade suficiente. De manhã, de acordo com uma funcionária que não quis revelar a identidade, mais de 100 pessoas estiveram no local, mas nem todas foram vacinadas.
A Secretaria de Saúde esclareceu que as salas de vacina de todos os centros de saúde devem seguir a recomendação do Ministério da Saúde e a imunização contra o H1N1 está liberada para toda a população do DF. A pasta também afirmou que ainda não foram recebidas novas doses e que estão sendo utilizadas as disponíveis no estoque.

Fonte: G1

05/06/2017 - 10:03 Escrito por Lurian Leles Na Mídia

Vacina da gripe será disponibilizada a toda a população do DF nesta segunda

Aqueles que desejam receber a dose devem comparecer a uma unidade de saúde perto de sua residência

A partir desta segunda-feira (5/6) toda a população do Distrito Federal poderá receber a vacina contra a gripe. A Secretaria de Saúde confirmou que a imunização contra influenza será administrada inclusive para pessoas que estão fora do grupo de risco. Aqueles que desejam receber a dose devem comparecer a alguma unidade de saúde perto de sua residência.

Na última sexta-feira (2), o ministro da Saúde, Ricardo Barros, liberou a vacinação em todo país e deixou a critério das secretarias regionais a distribuição. No DF, o grupo de risco, que engloba idosos e gestantes, atingiu o percentual de 79% de pessoas vacinadas. A expectativa é de que o número aumente até o último dia da campanha, na sexta (9).

Apesar da liberação, o número de doses no DF é limitada conforme a disponibilidade, ou seja, quanto antes os moradores procurarem os postos de saúde, maior a chance de serem imunizados. A Secretaria de Saúde não revelou a quantidade de doses que restam em estoque, mas garantiu que a vacinação “será feita enquanto houver disponibilidade de vacinas”.

Fonte: Metrópoles

29/05/2017 - 08:15 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Campanha de vacinação contra vírus H1N1 é prorrogada até 9 de junho no DF

Medida foi tomada em razão do baixo número de pessoas vacinadas durante campanha. Entre grupos prioritários, crianças tiveram menor índice de imunização, de 46%.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal anunciou na manhã desta sexta-feira (26) que vai prorrogar a campanha de vacinação contra a gripe H1N1até o dia 9 de junho a pedido do Ministério da Saúde. A decisão foi tomada devido ao baixo índice de pessoas que se imunizaram.

Segundo o último balanço da pasta, 67,9% do público-alvo havia sido vacinado, o que corresponde 466.500 pessoas em todo o DF. A meta era atingir, ao menos, 90% dos grupos de riscos – o equivalente a 687.155 pessoas.

A crianças foram as que menos tomaram a vacina até hoje, apenas 46% foram imunizadas. A fim de ampliar os índices do público infantil, a pasta firmou parceria com Secretaria de Educação para fazer mutirões de vacinação em creches. A possibilidade de parceria com hospitais privados também foram divulgadas.

“Pretendemos que, por meio de parcerias, as vacinas cheguem a mais pessoas dos grupos de risco. Além disso, vamos oferecer vacinas às gestantes nas consultas de pré-natal e em ambulatórios. A intenção é que puérperas saiam dos hospitais já vacinadas”, disse o Secretario-ajunto de Assistência à Saúde, Daniel Seabra.

Até esta quinta-feira (25), 49,5% das gestantes tinham sido vacinadas. A cobertura é maior entre os idosos (82,3%) e professores (81,1%). “Idoso, crianças de 2 a 4 anos e os portadores de doenças crônicas são os três maiores e mais preocupantes grupos. Os idosos tendem a procurar mais, até por questão cultual”, disse Seabra.

O baixo índice de mortes e contaminação pelo vírus é um fator que contribuiu para a baixa demanda pela vacina, segundo o secretário-adjunto. Dados da secretaria mostram que, no ano passado, o vírus H1N1 causou 17 mortes no DF. Em 2017, foram registrados dois óbitos por contaminação pelo vírus H1N3.

Sobre a disponibilidade de vacinas, Seabra afirmou que há doses suficientes para todas as pessoas, porque a Secretaria de Saúde havia recebido do governo federal 755.900 doses, quantidade superior a 100% do público-alvo. De acordo com o secretário-adjunto, se 90% dos grupos prioritários forem imunizados, a vacina poderá ser disponibilizada ao público geral.

Grupos de risco
A campanha começou no dia 17 de abril e estava programada para terminar nesta sexta. Os grupos de risco classificados pelo governo incluem crianças entre 6 meses e 5 anos, grávidas, mães que tiverem bebê há menos de 45 dias, profissionais de saúde, pessoas com 60 anos ou mais, presos, funcionários do sistema prisional, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e professores, que foram incluídos entre os prioritários neste ano.

Fonte: G1 DF

26/05/2017 - 07:00 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Vacina da gripe chegou a 64% do público no DF; campanha vai até esta sexta

Público-alvo é composto por 687,1 mil pessoas; até esta quinta, 467,3 mil já tinham recebido a vacina. Campanha começou em 17 de abril, e já teve 'dia D'.

Termina nesta sexta-feira (26) a campanha nacional de vacinação contra a gripe. Até esta quinta (25), apenas 64,14% das 687,1 mil pessoas que compõem os "grupos de prioridade" da vacinação no Distrito Federal tinham recebido a imunização, segundo o Ministério da Saúde. A campanha começou no dia 17 de abril e, desde então, vacinou 467,3 mil pessoas na capital.

Em todo o país, apenas 35,1 milhões de pessoas foram vacinadas. Considerando o público-alvo da campanha, de 54,2 milhões de pessoas, a eficácia da campanha gira em torno dos 64,7%, similar ao dado do DF.

Crianças com idade entre 6 meses e 5 anos, grávidas, mães que tiveram bebê há menos de 45 dias, profissionais de saúde e pessoas com 60 anos ou mais estão entre os que já podem se vacinar. Também estão no grupo prioritário presos, funcionários do sistema prisional, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e professores, que foram incluídos no grupo de risco este ano.

O grupo com menor cobertura vacinal até o momento é o de crianças, com 40% da meta atingida. Entre as gestantes, 49,5% foram vacinadas até esta quinta. A cobertura é maior entre idosos (82,3%) e professores (81,1%).

Mesmo com o fim da campanha nesta sexta, quem pertencer ao público-alvo ainda poderá se vacinar nas próximas semanas. As doses estão disponíveis em 130 dos 180 postos de saúde de Brasília, de segunda a sexta, das 8 às 17 horas.

De acordo com o Ministério da Saúde a vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A pasta assegura que a vacina é segura e uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações decorrentes de quadros de gripes.

Mortes por gripe no DF
De acordo com a Secretaria de Saúde, em 2017 não houve registro de morte por influenza A H1N1. Apesar disso, duas mortes foram registradas por influenza A H3 – a "gripe comum".

De acordo com a pasta, a segunda morte foi no último dia 4. A vítima é uma mulher de 52 anos, que já tinha doenças crônicas. Ela sofria de pneumopatia, de doença cardiovascular crônica e de obesidade. O outro caso foi divulgado no dia 27 de abril. A vítima foi uma mulher de 43 anos que, de acordo com o governo, também era portadora de uma doença crônica (diabetes). Segundo o boletim da secretaria, as mortes ocorreram no Riacho Fundo I e no Itapoã.

Em 2016, no mesmo período, foram registrados 12 mortes, sendo 10 relacionadas ao Influenza A H1N1, um por Adenovírus e o outro por Metapneumovírus.

Casos de gripe no Brasil em 2016 foi alto
Em 2016, houve 12.174 casos confirmados de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por influenza no país. A SRAG é uma complicação da gripe. Houve ainda 2.220 mortes, número alto em comparação a anos anteriores.

Do total de óbitos, a maioria (1.982) foi por influenza A/H1N1. Este foi o maior número de mortes por H1N1 desde a pandemia de 2009, quando 2.060 pessoas morreram em decorrência do vírus no Brasil.

Como evitar a transmissão:

Frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento;

Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir e higienizar as mãos em seguida;

Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos e garrafas;

Manter os ambientes bem ventilados;

Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;

Evitar aglomerações e ambientes fechados;

Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Fonte: G1 DF

19/05/2017 - 08:40 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Apenas 56,6% do público-alvo recebeu vacina contra a gripe no DF

Foram 312,3 mil pessoas vacinadas, segundo os dados divulgados nesta quinta (18)

Um levantamento do Ministério da Saúde mostrou que, até a última quarta-feira (17), apenas 56,6% do público-alvo se imunizou durante a 19ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe no Distrito Federal. Foram 312,3 mil pessoas vacinadas, segundo os dados divulgados nesta quinta-feira (18), após o Dia D da campanha, no último sábado (13).

O Ministério da Saúde informou que, ao todo, 407,7 mil vacinas foram aplicadas no DF. Contudo, a porcentagem de 56,6% não leva em consideração a população privada de liberdade, os funcionários do sistema prisional e as pessoas com comorbidades - duas ou mais doenças relacionadas -, porque o órgão não quantifica esses dados.

Desde o início da campanha, em 17 de abril, foram vacinadas 33,7% das crianças do DF; 51,1% dos trabalhadores de saúde; 43,1% das gestantes; 45,4% das puérperas - mulheres que acabaram de dar à luz; 74,3% dos idosos; e 62,8% dos professores. Entre as cinco regiões do país, o Centro-Oeste ficou em segundo lugar no desempenho da campanha e alcançou 53,1% do público-alvo nacional. Em todo o país, 53% do público-alvo, composto por 54,2 milhões de pessoas, foi vacinado.

O período de vacinação seguirá até 26 de maio. As doses disponíveis nos postos de saúde são destinadas aos seguintes grupos: crianças de seis meses a menores de cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores de saúde; povos indígenas; gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto); população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; pessoas com doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais; e professores.

Fonte: Correio Braziliense

15/05/2017 - 10:05 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

No Dia D, Secretaria de Saúde imunizou 99 mil pessoas contra H1N1

Campanha ocorreu em 143 postos de saúde e atingiu a marca de 53,4% do público alvo da campanha, que começou em abril deste ano

No Dia D de vacinação contra a Influenza 99.251 pessoas foram imunizadas nos 143 postos montados pela Secretaria de Saúde em todo Distrito Federal, segundo balanço parcial divulgado no início da noite pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica. O número ficou abaixo da expectativa de vacinar 200 mil brasilienses.

O dia, que amanheceu ensolarado, correu tranquilo nos postos de vacinação. De acordo com Gessyane, a expectativa para o dia de hoje era de atingir cerca de 30% do público-alvo da campanha. Em todo o Distrito Federal, funcionaram durante o dia D 143 postos de vacinação.

Com isto, já são 366.653 vacinados desde o início da campanha em abril, até este sábado, o que representa 53,4% do público alvo.

O próprio Humberto Fonseca vacinou idosos e crianças no Itapoã e em outros postos no DF. “Hoje é um dia de festa”, comentou Humberto Fonseca. “Um dia em que as pessoas comparecem para prevenir e evitar doenças”. Mas, segundo o secretário de Saúde, um dia da maior importância. “Se este ano ainda não tivemos o registro de nenhum caso de morte pelo vírus H1N1 é porque no ano passado houve muito sucesso na campanha e na cobertura vacinal. Este ano, é importante não só manter como ampliar essa cobertura para que nada se agrave no ano que vem”.

Ampliar a cobertura de vacinação daqui até o final da campanha de vacinação é a grande preocupação do Ministério da Saúde, segundo Carla Domingues. “É muito importante que as pessoas se vacinem antes da chegada do inverno, quando é maior a incidência da Influenza. É assim que se consegue a prevenção”, explicou a coordenadora do Programa Nacional de Vacinação. Segundo Carla Domingues, até a sexta-feira, antes do início do Dia D, a cobertura nacional da campanha girava em torno de 30% (no Distrito Federal, antes do início do Dia D, a cobertura era de 38%). “A expectativa é que em todo o Brasil sejam vacinadas cerca de 10 milhões de pessoas”.

Quem faz parte do público alvo e não tomou a vacina hoje, pode ir às salas de vacinação das unidades de saúde a partir de segunda-feira. A campanha continua até 26 de maio e devem ser imunizadas crianças de seis meses a menos de cinco anos, gestantes, idosos, trabalhadores da saúde, pacientes com doenças crônica, indígenas, população privada de liberdade e professores

A escolha do Itapoã para a abertura da campanha deu-se por ser ela uma das regiões de maior vulnerabilidade em saúde no Distrito Federal e um dos lugares considerados prioritários pela Secretaria de Saúde para fazer a conversão do modelo de atenção primária para a Estratégia Saúde da Família. Projeto prioritário da Secretaria de Saúde, a conversão para a Saúde da Família já vem acontecendo. No posto de Saúde 2 do Itapoã, já é assim que a população é atendida. Segundo Danusa Fernandes, só faltam três equipes para que a cobertura de atenção primária do Itapoã seja 100% feita dentro da Estratégia Saúde da Família. “Isso é simbólico para o DF”. Durante a vacinação, foi entregue à população um folheto que explica como se dá o processo de conversão da atenção primária para a Estratégia Saúde da Família.

Fonte: Metrópoles

15/05/2017 - 08:45 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Abaixo da meta, 99.251 pessoas receberam imunização no ‘Dia D' contra gripe no D

Expectativa da Secretaria de Saúde era de que 200 mil pessoas fossem atendidas neste sábado. Campanha continua até 26 de maio.

O Dia de Mobilização Nacional para vacinação contra a gripe, realizado neste sábado (13) em todo o país, não alcançou a meta de imunização esperada pela Secretaria de Saúde do DF. A pasta pretendia vacinar cerca de 200 mil pessoas durante o “Dia D”. Segundo o balanço parcial, 99.251 pessoas procuraram os 143 postos, que funcionaram das 8h às 17h.

A secretaria quer vacinar 687.155 pessoas até 26 de maio. Na última sexta-feira (12), a pasta afirmou que 38% da população – 261 mil pessoas – foram imunizadas. Quem faz parte do público-alvo da campanha e não tomou a vacina neste sábado (13) poderá ir às salas de vacinação das unidades de saúde a partir de segunda-feira.

O secretário de saúde, Humberto Fonseca, explicou que a vacina não causa a gripe e que, portanto, a população não precisa se preocupar. “Não há risco de causar a doença. [Essa imunização] É diferente de outras vacinas que têm o vírus ativado”, apontou.

A contraindicação é para pessoas em estado febril — apenas enquanto durar a situação —, alérgicas a ovo e que já tiveram síndrome de Guillain-Barré.

Público-alvo

Podem se vacinar crianças, gestantes, mães há menos de 45 dias, profissionais de saúde, pessoas com mais de 60 anos, povos indígenas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pacientes com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

Os professores das redes pública e privada do Distrito Federal foram incluídos pela Secretaria de Saúde no grupo de risco da vacinação contra a gripe deste ano. Em 23 de maio, a pasta organizará uma campanha em alguns colégios do DF para imunizar os docentes e, assim, educar as crianças sobre a importância da vacina.

Mortes confirmadas em 2017

Na semana passada, a Secretaria de Saúde confirmou a segunda morte pelo vírus respiratório influenza A H3, conhecido porpularmente como o da gripe. De acordo com a pasta, a vítima foi uma mulher de 52 anos, que já tinha doenças crônicas. Ela sofria de pneumopatia, de doença cardiovascular crônica e de obesidade.

O outro caso foi divulgado no dia 27 de abril. No caso, a vítima foi uma mulher de 43 anos que, de acordo com a pasta, também era portadora de uma doença crônica (diabetes). Segundo o boletim da secretaria, as mortes ocorreram no Riacho Fundo I e no Itapoã.

Em 2016, no mesmo período, foram registradas 12 mortes, sendo 10 relacionadas ao Influenza A H1N1, um por Adenovírus e o outro por Metapneumovírus.

Fonte: G1 DF

15/05/2017 - 08:30 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

DF tem mutirão no Dia D de vacinação contra a gripe

DFTV1505

Veja como foi o dia D de vacinação contra a gripe.

Assista AQUI

Fonte: DFTV

15/05/2017 - 07:50 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Campanha de vacinação pretende atingir 200 mil pessoas

Dia de tomar a vacina trivalente no DF: proteção contra três tipos de vírus

Eneida Fernandes Bernardo, 61 anos, chegou pedalando ao Centro de Saúde N° 12, situado entre as quadras 208 e 408 Norte. "Parece que, hoje, é só contra a gripe", confirmou. Por ocasião da campanha Dia D de Mobilização Nacional de Vacinação Contra a Influenza, os brasilienses compareceram, neste sábado (13/05), aos postos de saúde da capital em busca da vacina trivalente, que protege contra três subtipos do vírus da gripe: Influenza A, Influenza B e H1N1 e H3N2.

Eneida integra o grupo de 200 mil pessoas consideradas público-alvo pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal. "Eu já sabia desse posto, porque moro aqui perto. Agora vou voltar pedalando para casa", disse, depois de deixar a sala de aplicação da vacina, ainda pela manhã. O cuidado com a saúde é preocupação constante dela. "Eu estava jogando futevôlei, mas parei, porque machuquei o joelho. Agora, estou fazendo natação e pilates", acrescentou.

Em vias de completar 80 anos, Hildebrando Queiroz contou que ficou sabendo da campanha nacional de vacinação por ser assinante do Correio. Na saída do posto de saúde, quando parou para conversar com a reportagem, ele ainda pressionava o algodão protetor contra o braço no qual fora aplicada a dose da trivalente. "Acabei de tomar essa contra a gripe, a H1N1", contou. Curado de um câncer na próstata, Hildebrando mantém-se alerta. "Tenho uma saúde compatível com uma pessoa de 80 anos."

A imunização de sábado, contudo, atraiu pessoas de diferentes idades. A estudante de biotecnologia Isadora Cirino, 18 anos, acabou de ser aprovada no vestibular da Universidade de Brasília (UnB). "Eu faço parte de um trabalho voluntário e todo mundo que participa tem que se vacinar", explicou. Como parte da iniciativa, a estudante frequenta hospitais do DF para proporcionar conforto a pacientes. Ela saiu do posto de saúde direto para o serviço voluntário do qual faz parte. A Secretaria de Saúde preparou 143 salas com o objetivo de disponibilizar a vacina trivalente aos habitantes do DF. O atendimento começou às 8h e está previsto para se encerrar às 17h.

Fonte: Correio Braziliense

09/05/2017 - 09:20 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

Apenas 22,3% do público se vacinou contra a gripe no DF até o momento

Só 137,3 mil pessoas foram imunizadas na capital federal até o dia 8 de maio. Expectativa é vacinar 498,6 mil habitantes da capital

Vinte e dois dias após o início da 19ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe, apenas 22,3% do público esperado no Distrito Federal se imunizou contra a doença — um total de 137,3 mil pessoas. A campanha se estende até o dia 26 de maio e a expectativa do Ministério da Saúde é vacinar, na capital federal, 498,6 mil habitantes considerados mais vulneráveis para complicações da gripe. No sábado (13), será realizado um Dia D de mobilização nacional.

Entre os públicos-alvo no Distrito Federal, os trabalhadores de saúde registraram a maior cobertura vacinal, com 27,9 mil doses aplicadas, o que representa 38,8% deste público, seguido pelos idosos (30,5%) e pelas mulheres que deram à luz recentemente (17,1%). Já os grupos que menos se vacinaram são as crianças (9,1%), professores (15,5%) e gestantes (15,5%).

No Brasil, apenas 25,7% do público-alvo foi imunizado. Entre as regiões do país, o Sul apresentou o melhor desempenho em relação à cobertura vacinal contra a influenza, com 48,5%, seguida pelas regiões Sudeste (28,3%); Centro-Oeste (23,2%); Nordeste (19,5%) e Norte (16%).

Desde o dia 17 de abril, a vacina contra a gripe está disponível nos postos de vacinação para crianças de seis meses a cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores de saúde; povos indígenas; gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto); população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais, além dos professores que são a novidade deste ano.

A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa definição também é baseada em estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

Ao todo, o Ministério da Saúde adquiriu 60 milhões de doses da vacina. Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis, incluindo pessoas com deficiências específicas, devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

Prevenção
A transmissão dos vírus influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz). À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

É importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe – especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – devem procurar imediatamente o médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre alta por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração. (Com informações da Agência Saúde)

Fonte: Metrópoles

09/05/2017 - 08:40 Escrito por SindSaúde DF Na Mídia

No DF, vacina da gripe chegou a apenas 22,3% do público alvo até esta segunda

Campanha de vacinação começou no dia 17 de abril, e vai até 26 de maio. Crianças menores de 5 anos tiveram menor cobertura vacinal, diz secretaria.

Até esta segunda-feira (8), apenas 22,3% das 687,1 mil pessoas que compõem os "grupos de prioridade" da vacinação contra a gripe no DF tinham recebido a imunização, apontam dados da Secretaria de Saúde.

A campanha nacional se iniciou no dia 17 de abril e vai até o dia 26 de maio.

Crianças com idade entre 6 meses e 5 anos, grávidas, mães que tiveram bebê há menos de 45 dias, profissionais de saúde e pessoas com 60 anos ou mais estão entre os que já podem se vacinar.

Também estão no grupo prioritário presos, funcionários do sistema prisional, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e professores, que foram incluídos no grupo de risco este ano.

Entre o público-alvo, o grupo que apresenta menor cobertura vacinal até o momento é o de crianças de 6 meses a menores de 5 anos. Desse grupo, apenas 11,5% foram vacinadas. Já o que teve maior cobertura vacinal foram os trabalhadores de saúde, com 38,8% de cobertura.

Ao todo, 116,9 mil doses da vacina foram aplicadas. A Secretaria de Saúde diz esperar um aumento significativo no número no Dia D, previsto para 13 de maio, das 8h às 17h. Na ocasião, pessoas dos grupos de risco poderão contar com mais 20 unidades móveis para se vacinar.

Segundo a pasta, este dia concentra a maior parte da população que procura as Salas de Vacina. No ano passado, 30% do total das doses consumidas pelos grupos de risco foram aplicadas no Dia D.
As vacinas estão disponíveis em 130 dos 180 postos de saúde de Brasília, de segunda a sexta, das 8 às 17 horas.

Mortes por gripe no DF

De acordo com a Secretaria de Saúde, em 2017 não houve registro de morte por influenza A H1N1, porém foram registradas duas mortes por influenza A H3, conhecido popularmente como o da gripe.

De acordo com a pasta, a segunda morte foi no último dia 4 de maio. A vítima é uma mulher de 52 anos, que já tinha doenças crônicas. Ela sofria de pneumopatia, de doença cardiovascular crônica e de obesidade.

O outro caso foi divulgado no dia 27 de maio. A vítima foi uma mulher de 43 anos que, de acordo com o governo, também era portadora de uma doença crônica (diabetes).

Segundo o boletim da secretaria, as mortes ocorreram no Riacho Fundo I e no Itapoã.

Em 2016, no mesmo período, foram registrados 12 mortes, sendo 10 relacionadas ao Influenza A H1N1, um por Adenovírus e o outro por Metapneumovírus.

Como evitar a transmissão:

Frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento;

Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir e higienizar as mãos em seguida;

Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos e garrafas;

Manter os ambientes bem ventilados;

Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;

Evitar aglomerações e ambientes fechados;

Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Fonte: G1