TCDF considera ilegal a contratação do Instituto de Cardiologia e questiona preços

Sex, 14 Set 2018

Secretaria de Saúde terá 30 dias para explicar contrato feito sem licitação

O Tribunal de Contas do Distrito Federal considerou ilegal a contratação do Instituto de Cardiologia do DF por parte da Secretaria de Saúde e deu prazo de 30 dias para que os órgãos apresentem argumentações de defesa.

Segundo o TCDF, em inspeção, foi verificado que há falhas no processo de escolha do ICDF porque deveria ter sido feita uma licitação para escolher o prestador de serviço. A SES alegou ausência de competidores e inexigibilidade de licitação.
O tribunal apontou ainda ausência de justificativa no processo para os preços adotados no contrato. De acordo com a legislação, são necessários pelo menos três orçamentos para basear o projeto.

WhatsApp Image 2018-09-14 at 17.32.31.jpeg

O contrato inicial da SES com o Instituto, que agora já está sendo mantido no seu terceiro Termo Aditivo, teve valor de R$ 146 milhões. Ele foi assinado em abril de 2016 e tinha duração de 12 meses. O ICDF é responsável pela prestação de serviços ambulatoriais e emergenciais, de média e alta complexidade nas especialidades de Cirurgia Cardíaca, Cirurgia Vascular, Cardiologia, Radiologia, Terapia Intensiva, além dos serviços intervencionistas endovasculares em radiologia, neuroradiologia, cardiovascular e de transplantes, captação e doação de órgãos e tecidos, visando atender as necessidades complementares de assistência da Secretaria de Saúde.

O SindSaúde já relatou que houve falta de pagamento, que na época estava em atraso, e que o convênio com ICDF seria suspenso.

Mudou de ideia?? Após medida eleitoreira, governador volta atrás sobre controle de ponto de cargos comissionados

Sex, 14 Set 2018

Mais uma vez, Rollemberg troca os pés pelas mãos na gestão do Distrito Federal

Durou apenas um dia o decreto do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) que obrigava todos os servidores, efetivos ou não, que ocupam Cargos de Natureza Especial (CNE) do Distrito Federal a baterem ponto. O chefe do Executivo instituiu a medida na última quarta-feira (12), editando o Decreto 39.334, mas voltou atrás no dia seguinte. A revogação está no Diário Oficial desta sexta-feira (14).

Fazem parte dessa categoria profissionais que deveriam ter a aferição do trabalho controlada e que exercem as funções de direção, chefia e assessoramento, sendo boa parte deles somente comissionados. Nesse rol, se a decisão inicial fosse mantida, subsecretários, superintendentes, diretores, coordenadores e assessores seriam obrigados a registrar a frequência que comprova o cumprimento da carga horária.

Com o fim da gestão, e há pouco menos de um mês do primeiro turno das eleições deste ano, esse decreto gerou desconfiança, pois, ficou nítida a vontade do governador "jogar para a platéia", sugerindo que seus comandados cumprissem a carga laboral, dando eficiencia à maquina pública.

Crianças são vítimas da má gestão no Governo do DF

Sex, 14 Set 2018

Após dar calote em empresa, SES reassume UTI Pediátrica do Hospital de Santa Maria. Expectativa não é boa

Após inúmeros transtornos causados à população, como a remoção repentina de crianças de leitos, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal reassumiu nesta sexta-feira (14) a gestão da UTI Pediátrica do Hospital de Santa Maria (HRSM). Isso porque terminou ontem (13) o aviso prévio de 10 médicos da Intensicare, empresa contratada pelo GDF que estava à frente do serviço. A partir de agora, o governo local se comprometeu a contratar intensivistas pediátricos aprovados por concursos públicos.

Para o SindSaúde, a situação de caos para atendimento das crianças no HRSM deve permanecer complicada. “O GDF tem obrigação de gerir as unidades e gerir com competência. A SES tem profissionais muito capacitados para isso. A questão de Santa Maria é incompetência do governo. Será que o governador Rollemberg vai se preocupar com as crianças atendidas em Santa Maria às vésperas de deixar o Buriti? Duvido muito que isso aconteça.

Auxiliares de Enfermagem são servidores que mais se afastam por doenças

Sex, 14 Set 2018

Em 3 anos, média de servidores do cargo que pediram licença chega a 24,8 mil

Os auxiliares de enfermagem são os que mais sofrem com doenças no trabalho e afastamentos decorrentes de problemas de saúde na rede púbica do Distrito Federal. Os dados são da Secretaria de Saúde e foram enviados ao SindSaúde por meio da Lei de Acesso à Informação.

Entre 2015 e 2017, 24.832 auxiliares de enfermagem deixaram seus postos na rede pública de saúde em licenças médicas. Eles fazem parte da carreira de assistência à saúde, que teve, ao todo, 61.402 servidores afastados nos últimos três anos.

Enfermeiros, técnicos administrativos, técnicos de enfermagem e agentes comunitários de saúde também estão entre as categorias que mais têm se licenciado para tratar da saúde na Secretaria de Saúde.

Afastamentos seguidos

A enfermeira Marília* está entre os apontados pela pasta como servidor afastado da função. Ela trabalha desde 2002 na rede pública e já precisou ficar longe do trabalho em quatro momentos diferentes, um deles por quase dois anos para tratar um problema psicológico que chegou a causar perda de memória.

“A

Saúde perde mais de 3 mil servidores no governo Rollemberg

Qui, 13 Set 2018

Número de aposentadorias já chega a 8,3 mil nos últimos 12 anos

Enquanto 39 mil aprovados em concurso aguardam nomeação na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, o número de aposentadorias cresce ano após ano. Foram 797 servidores aposentados em 2015, 857 em 2016 e 1.028 em 2017, segundo dados da própria Pasta, enviados ao SindSaúde-DF por meio da Lei de Acesso à Informação.

Se somados os 509 servidores que já se aposentaram até o início de agosto, são 3.191 funcionários a menos para atender os pacientes na rede pública de Saúde.

“Nosso servidor está adoecendo, nosso servidor está se aposentando e a população paga o preço de tentar ser atendido e morrer aguardando”, revela a presidente do SindSaúde-DF, Marli Rodrigues.

Segundo ela, os dados e relatos enviados semanalmente ao sindicato são alarmantes e mostram o descaso do Governo do Distrito Federal com o servidor e com a Saúde Pública em geral.

Aposentadorias

Nos

Rollemberg planeja mais uma ação de desmonte na Saúde do DF

Qui, 13 Set 2018

No próximo dia 28, o governo do Distrital Federal promove audiência pública para divulgar uma proposta de terceirização da gestão e operação logística das atividades de recebimento, armazenamento e distribuição de remédios, órteses, próteses, materiais especiais, médico-hospitalares, laboratoriais, odontológicos, de nutrição e de expediente. A informação consta no Diário Oficial do DF de ontem (12) e foi publicada no Portal Metrópoles nesta quinta-feira (13), conforme matéria abaixo

Depois de transformar o Hospital de Base em instituto e o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) anunciar que estenderá a medida às grandes unidades de saúde pública, em um eventual segundo mandato, o GDF planeja terceirizar a distribuição de medicamentos na rede pública. O trabalho é feito pelos próprios servidores, mas o Executivo quer repassar a tarefa às empresas. Os trabalhadores da área de saúde discordam da iniciativa.

A medida é mais ampla e já foi cogitada no primeiro ano de gestão de Rollemberg.

Cai número de horas de atendimento na Pediatria e Ginecologia da rede pública

Qui, 13 Set 2018

Também houve queda, entre 2014 e 2018, no número de profissionais. Para SindSaúde, situação demonstra incapacidade de Rollemberg de recompor quadros e atender a demanda

Em 4 anos, o número de horas trabalhadas por todos os ginecologistas da Secretaria de Saúde do Distrito Federal diminuiu 17%, caindo de 20 mil horas em 2014 para 17 mil neste ano. No mesmo período, também foi reduzida a quantidade de horas nas pediatrias da rede pública, de 20.140 horas para 17.280, queda de 14,2% no tempo de atendimento.

Como se não bastasse, também houve queda no número total desses profissionais no período analisado. Em 2014, a SES contava com 646 médicos ginecologistas e neste ano são 567 - queda de 12,2%. Em relação aos pediatras, a quantidade de profissionais foi de 631 para 576, o que representa uma diminuição de 8,7% entre 2014 e 2018.

Ou seja, entre 2014 e 2018, a queda percentual da carga horária dos médicos foi maior do que recuo do quadro de profissionais.

Brasília é a segunda pior capital em oferta de leitos de UTI na rede pública

Qua, 12 Set 2018

Capital federal só perde para Macapá em número de unidades do SUS

Brasília é a capital com segunda menor oferta de leitos de UTI na rede pública proporcionais à população, segundo uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (12) pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). A capital federal tem apenas 0,91 leitos para cada 10 mil habitantes, número menor que o recomendado pelo Ministério da Saúde e que coloca o DF atrás apenas de Macapá (AP).

De acordo com a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), a proporção ideal é de 1 a 3 leitos de UTI para cada 10 mil habitantes – a média brasileira é de 1,4.

Na contramão da rede pública, o DF está na liderança de leitos privados de UTI - 8,78 para cada 10 mil habitantes, quase três vezes o recomendado. Para a presidente do SindSaúde-DF, Marli Rodrigues, essa realidade não é por acaso.

“Isso

Relatório aponta saga de paciente de 74 anos que morreu no Instituto Hospital de Base

Qua, 12 Set 2018

O distrital Wellington Luiz acionou o MP para apurar supostas falhas em atendimento da paciente

Após a morte de uma paciente de 74 anos de idade no Instituto Hospital de Base (IHBDF), em 2 de setembro, a reportagem do SindSaúde teve acesso ao relatório da médica cardiologista Sandra Marques e Silva, documento em que é cobrada uma vaga de UTI, além da realização de uma cirurgia no Instituto de Cardiologia (ICDF).

Após receber uma denúncia de um funcionário do Instituto, o deputado distrital Wellington Luiz (MDB) foi ao hospital, no dia 9 de setembro, conferir o que de fato ocorreu e foi barrado por vigilantes do local. O parlamentar afirmou que já acionou o Ministério Público, pedindo esclarecimentos do Instituto em relação à morte da paciente. A denúncia do deputado foi feita ontem no Plenário da Câmara Legislativa do DF. Ele classificou o caso como um “crime” do poder público.

No resumo clínico, a médica alega que, diante do estado da paciente Marcia Aparecida Silva, tentou informar ao ICDF sobre a urgência em se realizar uma angioplastia (cirurgia para desobstruir artérias).

Uso eleitoreiro até do Hospital da Criança, que tem fila de 2 mil pacientes na espera

Qua, 12 Set 2018

Matéria do Portal Metrópoles desta quarta-feira (12) destaca que o Hospital da Criança tem dois mil pacientes na fila de espera. Segundo a publicação, adversários de Rollemberg criticam o governador por uso eleitoral da construção do Bloco 2, que foi entregue em julho, mas ainda não começou a funcionar.

Leia abaixo matéria completa:

Principal obra da atual gestão do Governo do Distrito Federal na área da Saúde, o Bloco 2 do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) ainda não tem data exata para começar a funcionar. Enquanto isso, 1.917 pacientes esperam por procedimentos realizados exclusivamente pela unidade hospitalar. Esse número pode ser ainda maior, uma vez que 19.496 meninos e meninas aguardam por uma vaga na rede pública local, de acordo com dados da Secretaria de Saúde do DF.

Em novembro de 2011, o Hospital da Criança foi inaugurado pela Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace).

Ansiedade e depressão são motivos que mais tiram servidores do trabalho no DF

Qua, 12 Set 2018

Transtornos mentais foram responsáveis por 18,9 % dos afastamentos em 2017 na Secretaria de Saúde

Os transtornos mentais e comportamentais são os que mais tiram servidores do trabalho no Distrito Federal, segundo um relatório da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão do DF. Em 2017, 22,6% dos afastamentos no GDF foram por motivos relacionados a doenças como ansiedade, depressão, stress grave, entre outras questões.

Na Secretaria de Saúde a realidade não é diferente. Dos 6.430 servidores afastados, 18,97% deixaram de trabalhar por transtornos mentais e comportamentais.

A ansiedade é a principal causa de afastamento, respondendo por 29,3% dos casos. Logo em seguida está a depressão (26%) e a depressão recorrente (18,6%). Stress grave também tem altos índices de incidência – 15,6% do total.

Depressão

Maria* é uma das servidoras apontadas nos índices. Ela está há meses afastada do trabalho de enfermeira por depressão. “Está já é a segunda vez que me afasto por depressão. Infelizmente não consigo melhorar. É uma tristeza profunda, não tenho vontade de fazer nada”, relata.

Os

Deputado denuncia morte dentro do IHBDF por falta de atendimento adequado

Ter, 11 Set 2018

Relatório médico apresentado pelo parlamentar Wellington Luiz mostra que mulher de 74 anos morreu porque equipamentos falharam e faltaram medicamentos


O deputado Wellington Luiz (MDB) denunciou, na tarde desta terça-feira (11), no Plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal, a morte de uma paciente de 74 anos dentro do Instituto Hospital de Base, no dia 2 de setembro, por falhas em equipamentos e por falta de medicamentos.

O parlamentar apresentou um relatório da médica que atendeu a paciente e detalhou toda a saga na tentativa de salvar a vida da idosa. “Temos aqui um relato desesperador de uma médica que mostra exatamente como esse governo do DF trata a saúde pública. Um abandono. O que ocorreu com essa paciente foi um crime. Quem não se importa com isso é porque não é sua mãe que estava lá, é que não pensa na população”, afirmou o distrital.

Wellington,

Sindicalizados conseguem na Justiça o pagamento de dívidas do GDF

Ter, 11 Set 2018

Os servidores recorreram ao departamento jurídico do SindSaúde

O departamento jurídico do SindSaúde inicia a semana com três vitórias a servidores sindicalizados, que agora receberão valores devidos pelo governo do Distrito Federal. Com as decisões do Tribunal de Justiça do DF (TJDFT), o governo deverá desembolsar cerca de R$ 45,5 mil, montante que pode ser maior, pois em um processo não foi informado o valor do débito.

As condenações do TJDFT referem-se a três pagamentos de dívidas do governo local que não foram honrados, nas quantias de R$ 3.127,68, R$ 35.867,10 e 6.574,33. A sentença que não teve o valor divulgado está relacionada ao pagamento retroativo do adicional de insalubridade.

Atendimento do Departamento Jurídico para sindicalizados

De segunda à sexta-feira
Horário: 9h às 17h
Telefones: (61) 4063-9077 ou (61) 3225-6579

JURÍDICO SINDSAÚDE

Doentes, servidores da Saúde faltaram a 1,5 milhão de dias nos últimos 3 anos

Ter, 11 Set 2018

Transtornos psicológicos e mentais estão entre os principais motivos de afastamento

Os servidores públicos da Saúde do Distrito Federal estão cada dia mais doentes. Entre 2015 e 2017, 40 mil profissionais foram afastados do trabalho por problemas de saúde e doença. Somados os dias que todos passaram longe da função, o número chega a mais de 4,3 mil anos.

Foram exatamente 1.581.554 dias de afastamento ao todo, nos últimos 3 anos, referentes a 40.048 servidores. A maioria esmagadora dos afastados é mulher, cerca de 80% do total. Entre os motivos que mais afastam os profissionais da Saúde do trabalho estão os transtornos psicológicos e mentais.

Os dados são da Secretaria de Saúde e foram enviados ao SindSaúde após solicitação por meio da Lei de Acesso à Informação.

Saúde mental

Segundo a especialista em Saúde Mental e professora da Universidade de Brasília (UnB), Priscila da Silva Antônio “é difícil precisar a causa de uma patologia”, como a depressão.

Nota de repúdio ao tratamento recebido pelo deputado Wellington Luiz no Instituto Hospital de Base

Seg, 10 Set 2018

O SindSaúde repudia o ocorrido com o deputado Wellington Luiz (MDB) ao chegar para apurar uma denúncia no Instituto Hospital de Base. O fato ocorreu neste domingo (9), quando o distrital foi impedido pela segurança do hospital, por determinação da direção do local, de entrar nas dependências da unidade. A denúncia era sobre a morte de um paciente por falta de equipamentos, UTI e medicamentos primordiais para salvar a vida do usuário.

Uma das principais competências de um deputado distrital é a de controlar as ações do Governo do Distrito Federal. De acordo com a Lei Orgânica do Distrito Federal, Art 60, inciso XVI, o deputado distrital deve “fiscalizar e controlar os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração indireta;”.

No entanto, neste domingo o deputado Wellignton Luiz foi barrado - por determinação da direção da unidade- pelos seguranças, que usaram suas armas para garantir que o deputado não entrasse.

90% das licenças por transtornos mentais, em 2017, foram emitidas a servidores da SES e Educação

Seg, 10 Set 2018

Em média, a cada 5 servidores da Saúde 1 teve a atestado por conta de doenças psicológicas no ano passado

Noventa por cento dos atestados emitidos em 2017 a servidores públicos do governo do Distrito Federal, referentes a transtornos mentais e comportamentais, foram direcionados a trabalhadores das secretarias de Saúde e Educação. No ano passado, o GDF emitiu 15.557 licenças referentes a essas enfermidades a todos os servidores.

Os trabalhadores da Educação e Saúde foram responsáveis pela emissão, respectivamente, de 7.639 (49,1% do total) e 6.430 (41,3% do total) de licenças concedidas. Os outros órgãos tiveram 1.488 licenças concedidas (9,56%).

Se levarmos em conta o número de servidores ativos na SES em 2017 – 32.071 – é possível concluir que, em média, a cada 5 trabalhadores da pasta 1 obteve licença relacionadas a doenças psicológicas. Na educação essa média é um pouco menor, de 4,9 servidores para cada atestado emitido.

Os

Qual é a conta??? Enquanto pacientes aguardam espaço na rede, Hospital de Base tem 273 leitos vagos

Qui, 06 Set 2018

Maioria dos espaços não ocupados são na área da internação e pronto-socorro

É só ir a um hospital da rede pública do Distrito Federal para comprovar que falta atendimento e os pacientes reclamam que voltam para casa por falta de leitos. No Hospital de Base, misteriosamente, a situação é diferente. Um relatório da própria SES mostra que o local tem 273 leitos vagos.

Só na internação há 211 espaços que poderiam atender pacientes, mas estão vazios. No pronto-socorro, outros 39 leitos estão vagos. E eles não estão indisponíveis, segundo o relatório. Os leitos indisponíveis são tratados separadamente e indicam algum problema na maca, equipamentos ou déficit de equipe responsável para atender naquele leito.

2.jpeg

“Gostaríamos de entender porque há tantos leitos vagos. Será que o governo está encontrando números maravilhosos porque está deixando o hospital vazio? Depois de tanto abandono, será que os pacientes desistiram de mendigar atendimento?”, questiona a presidente do SindSaúde-DF, Marli Rodrigues.

O

Em 2017, 22% dos afastamentos no serviço público do DF foram por transtornos mentais

Qua, 05 Set 2018

Em um ano, governo local emitiu 15.557 licenças para tratar doenças do gênero

Segundo balanço da própria Secretaria de Saúde do DF, 22% das licenças emitidas aos servidores do DF por motivos de saúde, em 2017, estão relacionadas a transtornos mentais ou comportamentais. No ano passado, foram emitidos 15.557 atestados para tratar dessas enfermidades.

DADOS

A secretaria recorde na emissão desses afastamentos é a de Educação (28,34%), seguida pela Saúde (19%). As informações fazem parte de um relatório da Diretoria de Epidemiologia em Saúde do Servidor obtido com exclusividade pelo SindSaúde. Vale ressaltar que o número de emissões de licenças é diferente do número de servidores afastados e que um único trabalhador pode solicitar inúmeros atestados no decorrer do ano.

Levando em conta o número total de licenças emitidos por conta de transtornos mentais e comportamentais, as pastas da Educação e Saúde, emitiram, respectivamente 7639 e 6430 esses tipos de documentos.

Filiado pode falar ilimitado com Samsung Galaxy J2 Pro da Claro

Qua, 05 Set 2018

Sindicalizado paga a partir de R$ 89,90 mensais por aparelho e plano com WhatsApp à vontade

O SindSaúde, em parceria com a operadora Claro, oferece aos sindicalizados a excelente oportunidade de um plano de telefonia móvel com aparelho já incluso. Esse é mais um benefício oferecido pelo sindicato aos associados.

Os filiados poderão ter um Samsung Galaxy J2 Pro, com 2GB de internet, ligações ilimitadas para móvel e fixo de qualquer operadora e WhatsApp à vontade. Tudo isso a partir de R$89,90 mensais!*

Esta promoção é válida para sindicalizados do SindSaúde-DF que estiverem em dia com as obrigações estatutárias legais.

O sindicalizado pode contratar seu plano e retirar seu aparelho na sede do SindSaúde. Esta promoção é válida até 30 de setembro de 2018 ou enquanto durarem os estoques.

*Vigência do contrato de 24 meses. Para maiores informações, consulte o site da Claro:www.claro.com.br

Hospital para o servidor e quitação de direitos na pauta dos candidatos

Qua, 05 Set 2018

Servidores da Saúde ouviram seis dos 11 candidatos ao governo durante o Seminário do SindSaúde. Rollemberg não foi convidado

O SindSaúde-DF recebeu candidatos ao governo do Distrito Federal no seu II Seminário “Eleições 2018 e o Movimento Sindical”, no Hotel San Marco no dia 1º de setembro. O caos vivenciado na saúde pública do DF foi o ponto de convergência entre os presentes, além do compromisso de derrotar Rollemberg, já no 1° turno das eleições.

O descaso do atual governo com a Pasta e o abandono que sofre os pacientes e servidores tambem foi consenso nos debates. Na oportunidade, todos destacaram e lamentaram a falta de políticas públicas para o cuidado e assistência à saúde mental e laboral dos trabalhadores da Saúde.

Um a um, os candidatos que se sucediam, cada um no seu horário, se comprometiam com o pagamento da GATA (Gratificação de atividade Técnico-Administrativa) e isonomia.