Segunda, 22 de setembro de 2014
Lurian Leles

Lurian Leles

Publicado em Na Mídia
 |  Quarta, 13 Março 2013 07:25

O orçamento previsto para a compra de medicamentos da rede pública de Saúde do Distrito Federal encolheu. O alerta partiu do gabinete do deputado Chico Leite (FT). Ao fiscalizar as planilhas orçamentárias, o parlamentar identificou uma redução dos recursos projetados para a aquisição de remédios em comparação com o ano passado. Em 2012, a pasta da Saúde tinha R$ 226,5 milhões para as compras de medicamentos. Conforme o levantamento do parlamentar, neste ano estão disponíveis R$ 176 milhões. Em outras palavras, são, aproximadamente, R$ 50 milhões a menos, em uma redução de 37% em comparação com o ano anterior.

Contramão

Segundo Chico Leite, a previsão orçamentária vai na contramão da postura adotada pelo Palácio do Buriti durante a gestão Agnelo. Isso porque desde que assumiu o governo, Agnelo vem ampliando sucessivamente os recursos para a compra de medicamentos. Um passo necessário em função da situação calamitosa da rede pública. Em 2010, o orçamento foi de 186,5 milhões, No ano seguinte, a verba saltou para R$ 203 milhões. O parlamentar avalia que é inadmissível abrir qualquer brecha para uma piora da Saúde Pública, ainda mais depois dos sucessivos investimentos na reconstrução da rede, que ainda vive problemas.

O lado da secretaria

Sobre este assunto, a pasta da Saúde comunicou oficialmente que qualquer comentário é de responsabilidade da Secretaria de Planejamento. Então está certo.

Com a palavra, a pasta de Planejamento

A secretaria enviou uma nota sobre o assunto. Confira na integra: “Com relação ao orçamento da Saúde para 2013, a competência da Secretaria de Planejamento e Orçamento está relacionada à destinação do “Teto Orçamentário”, ou seja, o valor global destinado à Unidade. A destinação específica para cada área é de responsabilidade da Unidade Recebedora, no caso a Secretaria de Saúde. No que se refere ao valor global, não houve redução na verba para a Secretaria, conforme demonstração abaixo. No tocante à verba para remédios, o fato de haver uma dotação inicial de R$176 milhões, não impede que o valor sofra alterações no decorrer do ano, pois o orçamento total da Secretaria de Saúde em 2012 foi R$2.263.875.371. Neste ano, estão previstos R$2.309.883.500.

Tendências sindicais

A deputada distrital Liliane Roriz (PSD) planeja reunir-se com sindicatos ligados às áreas de Educação, Cultura e Saúde. A lista começa com o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde (SindSaúde/DF). Na conversa, serão tratados temas como progressão de caneira, condições de trabalho nas unidades de saúde e ainda a implementação do ponto eletrônico para os servidores do GDF. A parlamentar pretende ir pessoalmente para cada entidade sindical Liliane definiu esta agenda política pelo fato de ter assumido a presidência da Comissão de Educação, Cultura e Saúde da Câmara.

 Fonte: Jornal de Brasília (coluna do alto da torre)

Publicado em Informe
 |  Segunda, 11 Março 2013 15:18

A diretoria do SindSaúde esteve nesta terça-feira (12) no Hospital Regional de Taguatinga (HRT) para discutir a pauta de reivindicações dos técnicos administrativos e convocar os servidores para a grande assembleia da categoria, que será realizada no auditório da Secretaria de Saúde (SES-DF), dia 21 (quinta-feira). O sindicato está se mobilizando para lançar a campanha pela mudança da especialidade técnica para analista, que será tratada dentro da revisão do plano de carreiras, e com isso espera alcançar melhorias como a redução de carga horária e a equiparação salarial com os servidores do Carreirão.

A campanha do SindSaúde terá como foco principal a criação e aprovação de um projeto de lei que altere a especialidade da categoria. “Nós queremos um projeto que atenda às suas necessidades tanto quanto aquele da administracao direta, que recebe quase 2 mil reais a mais que vocês”, disse o diretor do sindicato Vander Borges aos trabalhadores. “A regra que tem que valer para a categoria da saúde é a mesma que vale para o Carreirão”, completou a presidente do entidade, Marli Rodrigues. ” No dia 21 nós estaremos lá (grande assembleia) fazendo muito barulho e contaremos com a presenca de várias autoridades. Se nós nao tivermos mobilizacao, não haverá mudanca”, finalizou.

Publicado em Informe
 |  Segunda, 11 Março 2013 15:12

A diretoria do SindSaúde realizou na tarde desta segunda-feira (11), assembleia no auditório do Hospital Materno Infantil (HMIB) para discutir a campanha que visa a mudança da especialidade de técnico administrativo para analista. A reunião faz parte da mobilização promovida pelo sindicato que culminaráem uma grande assembleia, na Administração Central da Secretaria de Saúde (SES-DF), próximo dia 21.

Marli explicou aos técnicos as melhorias almejadas com a mudança, como a redução de carga horária e a equiparação salarial dos trabalhadores da saúde com os do Carreirão. “Essa categoria já perdeu tempo, dinheiro e saúde demais. Não há mais o que esperar”

Publicado em Informe
 |  Segunda, 11 Março 2013 14:17
Marcado com

No dia 28 de fevereiro,a direção do SindSaúde esteve reunida em assembleia com os servidores da Rede Sarah para tratar dos rumos que a categoria vai tomar daqui para frente, sendo o sindicato representante legal dos servidores. Na ocasião, foi apresentado os diretores e a sua presidente, Marli Rodrigues.

Na assembléia, muitos profissionais se queixaram das dificuldades que enfrentam no dia a dia no local de trabalho.Após ouvir vários relatos, a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, se mostrou indignada e disse que é impossível aceitar que na capital do poder haja um desmando do senhor Campos da Paz.Para ela, o administrador da rede  considera  o Sarah como a extensão dos seus desejos e sonhos pessoais.”Nunca vi aquele hospital como um local onde os trabalhadores fazem acontecer”,argumenta.

Segundo Marli, o hospital tem um tratamento publicitário de excelência, e questiona para quem é destinada essa excelência, já que é um hospital mantido por verbas federais.“Existem muitas perguntas que nós vamos atrás pra serem respondidas.Por que a unidade do Lago Norte está fechada? Por que a residência está fechada? Quanto a União repassa para que esse hospital funcione? Qual é a verdadeira condição de trabalho dos servidores? As pesquisas realizadas para saber a qualidade do atendimento são pesquisas feitas por profissionais capacitados ou por telefonistas?”,questiona.

Para a presidente, é um absurdo os servidores não poderem se manifestar para garantir absolutamente nada que a Constituição assegura aos trabalhadores regidos pela CLT.Os servidores não podem nem reclamar das condições de trabalho, senão, são demitidos sumariamente, como ocorreu com um servidor cujo nome o SindSaúde mantém em sigilo.”Será que o Sarah é realmente tudo isso que estão colocando? São perguntas que não querem calar.Nós não vamos respeitar uma instituição que não faz acordo coletivo, que não recebe o sindicato, passa por cima da Constituição, passa por cima da CLT. Quem está por trás de tudo isso? São perguntas que o SindSaúde faz e quer uma resposta”,indaga Marli.

Ainda segundo a presidente, Campos da Paz encontra-se doente e acamado e atualmente o hospital é gerenciado por uma professora de música. E esclareceu que caso os direitos dos trabalhadores não forem atendidos, o SindSaúde vai buscar ajuda e articulações no governo federal ou onde for necessário, para saber o que esconde o Sarah que não permite que o movimento sindical entre e faça o debate com os trabalhadores e gestores.“O que tem de errado? Essa é a pergunta.Se é um hospital de excelência,por que tem servidores tão doentes, tão oprimidos, tão perseguidos? Temos muitas perguntas e queremos  respostas”, contesta.

Publicado em Informe
 |  Segunda, 11 Março 2013 12:05

Os servidores do Hospital de Base (HBDF) estão preocupados com os puxadinhos que o governo está implantando para tratar prisioneiros de alta periculosidade.Alguns leitos do 8° e do 11°que estão reservados para receber detentos do sistema prisional do DF,não foram planejados por engenheiros  e nem tão pouco por especialistas em segurança pública para atendê-los.

Para a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, o hospital não foi feito para ser usado como presídio, quando não é planejado a chance de alguma coisa dar errado é enorme, alguém vai acabar pagando com a própria vida.“Nós temos um exemplo que aconteceu em novembro do ano passado no HBDF,um paciente prisional tomou a arma de um agente da Papuda e se suicidou.No Gama teve um caso de um detento que atirou no policial e o matou.Então,o governo do Distrito Federal precisa discutir de forma séria o Hospital Penitenciário, porque aí sim, o engenheiro vai criar um hospital com espaços próprios e os profissionais serão treinados para assisti-los de forma adequada”,esclarece Marli.

Ainda segundo Marli,até uma simples pinça usada nos pacientes, pode virar uma arma violentíssima na mão de um dos presidiários.O que pode causar a morte da pessoa que for atacada, além de ser usada como arma para a própria fuga.E isso não é bom para o servidor da saúde que vem sendo tão massacrado por todos os governos que passaram, e ainda por cima, ganham de presente uma papudinha.

A presidente do SindSaúde quer chamar a atenção do governo para discutir a criação do Hospital Penitenciário o mais rápido possível.O HBDF atende qualquer vítima, não tem distinção, mas os pacientes prisionais após receberem os primeiros socorros, têm que ser encaminhados para o hospital penitenciário onde não vão colocar em risco, nem a vida dos profissionais,e nem dos pacientes que se encontram internados.Para Marli,como se não bastasse o problema da Funap, no qual os servidores acabam se tornando  reféns em seu próprio local de trabalho, o GDF encaminha esses pacientes para o hospital onde não possui a mínima estrutura de segurança.

Segundo Marli,a questão da criação do hospital penitenciário precisa ser discutida,  o governo não pode jogar tudo o que é de ruim em cima do servidor, ele sofre com a situação, mas acaba aceitando tudo calado, o que não podemos mais admitir.“É importante frisar que os pacientes que chegam algemados para a primeira consulta ou de retorno, têm prioridade, porque ficam expostos e a polícia reclama que há risco de resgate O paciente que está esperando há horas para ser atendido, é obrigado dar a vez ao detento. Acreditamos que um governo que tem bom senso, vai começar a discutir essa questão”, afirma Marli.

Publicado em Na Mídia
 |  Quarta, 03 Abril 2013 14:32

Servidores lamentam ponto, mas governo acredita que sistema vai melhorar saúde pública

A polêmica sobre os pontos eletrônicos instalados no Hos­pital de Base (HB- DF) e no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) continua a dividir opiniões. A medida é uma tentativa do governo lo­cal de controlar, com maior rigor, a carga horária dos pro­fissionais e deve ser imple­mentada em toda a rede de saúde pública nos próximos meses. No entanto, os servi­dores da Saúde contestam a eficácia e o real sentido do no­vo equipamento.

Desde o dia primeiro de março, todos são obrigados a bater o ponto. Somente no Hospital de Base há 32 ter­minais para atender mais de 3,2 mil profissionais, sendo 749 só de médicos efetivos da Secretaria de saúde. “Sere­mos rigorosos com a frequên­cia e carga horária de nossos profissionais. Os pontos vão ajudar a melhorar a saúde pu­blica do DF”, afirma o governador Agnelo Queiroz.

A medida é questionada pela classe médica, que acredita que os pontos serão entrave no atendimento dos pacientes. “Imagine eu ter que parar um atendimento porque tenho que bater ponto. É um absurdo isso”, reclama um médico que não quis se identificar.

Outro profissional também pediu anonimato, disse que há uma burocracia para justificar os dias que os profissionais precisarem ir além de suas cargas horárias. “Se eu passar do meu horário por causa de um atendimento, terei que justificar isso no sis­tema, o que é burocrático e me faz perder tempo, pois só pos­so acessar esse espaço dentro do hospital. Depois desse tra­balho, ainda tenho que espe­rar meu supervisor aprovar a justificativa”, comenta.

A presidente do sindica­to dos Servidores da Saúde (SindSaúde), Marli Rodri­gues, afirma que a adesão ri­gorosa dos pontos eletrônicos é uma tentativa populista do governo de dar uma satisfa­ção a população de um pro­blema causado por uma má gestão da saúde pública lo­cal. “Os pontos não vão sanar a falta de médicos na re­de pública nem amenizar os muitos problemas. É preciso ir além e parar de maquiar o problema”, diz.

A entidade afirma que o governo pretende por a culpa nos médicos pelos mais de 20 anos de descaso com a saúde pública local. De acordo com Marli Rodrigues há uma contradição da Secretaria de Saúde em relação aos pontos. “O GDF vive dizendo que bate recordes de atendimento e cirurgias. Se há falta de médicos, porque o atendimento não diminui? A única verdade que vejo é o que nossos profissionais estão trabalhando além do limite e os pontos podem atrapalhar o comprometimento deles”, analisa. Outro problema apontado pela entidade é a falta de emissão de comprovantes de que o ponto foi batido, para resguardar os profissionais.

Procurada pelo Alô Brasília para rebater as críticas, a Secretaria de Saúde limitou-se a informar que a meta do governo é instalar até o final do semestre 80% dos pontos eletrônicos em toda rede de saúde.

Fonte: Alô Brasília

Publicado em Informe
 |  Quarta, 03 Abril 2013 14:32

A presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, visitou o senador Gim Argello (PTB) na manhã de sexta-feira (1°) para discutir a pauta de reivindicações do sindicato. Marli falou sobre as principais bandeiras de luta, como a mudança de especialidade dos técnicos administrativos para analista e a redução de carga horária dos AOSD’s, e relatou problemas que assolam a categoria, como as condições de trabalho dos funcionários da Rede Sarah, a sobrecarga nos mutirões da saúde e o déficit de servidores na Secretaria de Saúde (SES-DF). O senador declarou apoio total ao sindicato.

Segundo Marli, os problemas enfrentados pela categoria são fruto de gestões passadas. “Os servidores vem sofrendo com essas mazelas desde governos anteriores. Está na hora de mudar isso”, avaliou. Em resposta, Gim declarou estar a disposição do sindicato. “As bandeiras de luta do SindSaúde, a partir de agora, são minhas bandeiras”,  garantiu. Gim assegurou ainda que intermediará um encontro da direção do SindSaúde com a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Publicado em Informe
 |  Quarta, 03 Abril 2013 14:32

Há uma semana a Secretaria de Saúde implementou o  ponto eletrônico no Hospital de  Base (HBDF). Desde então, todos os servidores são obrigados a bater o ponto. A pergunta é, isso resolve o problema do atendimento no hospital? O SindSaúde acredita que a medida não traz benefício algum aos pacientes, pelo contrário, atrapalha ainda mais o trabalho dos servidores, e consequentemente, resulta em mais problemas do que soluções.

Segundo a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, há dois agravantes na obrigatoriedade do ponto. Primeiro, o aparelho não emite nenhum comprovante de frequência, o que deixa o servidor sem uma prova do cumprimento da carga horária. “Esse sistema é ineficiente e não atende a Portaria 1.510/2009, do Ministério do Trabalho, que determina a emissão de documento fiscal para que o servidor controle o que foi registrado”, afirma.

A outra questão é que o trabalho dos profissionais da saúde é imprevisível. “Não há como deixar uma emergência de lado. Por exemplo, caso o servidor esteja na sala de cirurgia, no momento em que deveria bater ponto, ele vai largar tudo para não ficar com falta? Se isso fosse uma exceção talvez coubesse uma justificativa na administração do hospital, mas casos como esse ocorrem todos os dias, o tempo todo”, explica. O diretor Vander Borges ressalta ainda que já há um controle de frequência. “As entradas e saídas dos servidores não são tratadas assim à revelia. Assinamos folhas de ponto, que são controladas pelas chefias imediatas, desde a época da ditadura”, lembra.

De acordo com Marli, a Secretaria de Saúde está usando o ponto eletrônico como uma satisfação para a sociedade. “Essa medida não resolve os muitos anos de sucateamento da saúde e nem o déficit de aproximadamente 13 mil trabalhadores. Os servidores não estão preparados para bater ponto. Não é a categoria quem deve pagar essa conta”, aponta. “Nós não somos contra o ponto. Entendemos que é um mecanismo comum nos locais de trabalho. Mas ressaltamos que dentro dos hospitais o serviço não é burocrático. Não apertamos parafusos, lidamos com vidas!”, finaliza.

Publicado em Informe
 |  Quarta, 06 Março 2013 21:00
Marcado com

Hoje (7), pela manhã, foi a vez do SindSaúde se reunir com os técnicos administrativos do Parque de Apoio da Secretaria de Saúde.Diferente das reuniões do HBDF e do HRAN,a dúvida e a incerteza imperavam entre os servidores.Alguns se encontravam desacreditados, mas conforme a presidente do sindicato, Marli Rodrigues,discursava a esperança e a motivação aparecia.

A presidente deixou bem claro que só a luta pode mudar o cenário. Ela enfatizou que vários profissionais do GDF foram beneficiados com a mudança,e que para a categoria da saúde conquistar o mesmo benefício, é preciso pressionar o governo.Marli falou que inicia seu mandato com força total, não quer saber de conchaves políticos,para ela, o foco é no reenquadramento da carreira de técnico para analista.

Alguns profissionais queriam saber como seria essa mudança do nível de técnico para o de analista.Foi explicado que os servidores da área técnica administrativa passariam para a de analista e os novos que ingressassem na carreira,seriam exigidos nível superior. Marli afirmou que essa vai ser a luta do sindicato e que está conclamando todos os servidores da área a abraçarem a causa.“Só com a união que conseguiremos a alcançar essa conquista, a secretaria de saúde não existe se não tiver o técnico administrativo”, disse.

Marli informou que o sindicato está sendo procurado por alguns políticos,a deputada Liliane Roriz (PSD), que acaba de ser nomeada presidente da Comissão de Educação,Saúde e Cultura já entrou em contato.O sindicato conta com o apoio do presidente do PT,Roberto Policarpo,deputado Patrício (PT),deputado Chico Vigilante (PT), deputada Federal Erika Kokay (PT/DF) e do senador Gim Argello (PTB/DF)."Vamos contatar outros parlamentares,pois precisamos articular politicamente para conseguirmos aliados que nos ajudem”, afirmou.

Ao término da reunião, os servidores se mostraram mais otimistas e confirmaram presença na grande assembléia geral do dia 21, que acontecerá na Secretaria de Saúde(SES),localizada no prédio da antiga Câmara Distrital.

© 2014 SINDSAUDE DF - Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Distrito Federal
SDS (CONIC) Bloco P - Ed. Venâncio III 1° Andar Sala 109/113 - CEP: 70393-902 - Brasília/DF 

Telefone: (61) 4063-9077 | E-mail:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.">O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. | Google+